Logo
Quarta, 02 de maio de 2018, 22h51
FECOMÉRCIO-MT

Sindicalistas são processados por agressão e omissões trabalhistas

Depois da desastrosa invasão à sede da Federação do Comércio com agressões a recepcionistas, secretárias e a superintendente-licenciado, os golpistas obtiveram, em juízo, uma medida liminar para analisarem as prestações de contas relativas a 2017.
Durante os poucos mais de dez (10) dias que passaram a responder pela instituição, os sindicalistas, através do presidente-interino João Flávio Barbosa Salles, o grupo conseguiu desestabilizar relacionais funcionais com servidoras e servidores da Federação que propuseram ações criminais por agressão, devidamente fundamentadas e que já transcorrem perante o Juizado Especial Criminal, além das ações indenizatórias na esfera cível.
Além da truculência, o grupo deixou de promover as necessárias CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho) de quem foi obrigado a se afastar para tratamento médico em decorrência das agressões, como se ilustra pela foto e se comprova nos documentos e representações encaminhadas aos agentes da fiscalização do trabalho.

Apesar de sumiço de documentos, prestação de contas vai ser realizada

Durante o período de "intervenção", houve o desaprecimento de relatórios de sindicância, comprovantes de transações bancárias e outros elementos de interesse da Justiça Criminal, objetos de representação policial decorrentes da ocupação indevida da sala da presidência, acesso a arquivos e ao cofre de segurança.
A volta à carga, desta vez pela via judicial, demonstra a divisão entre os conselheiros já que as contas realizadas compõem o acervo das deliberações internas para, incluindo-se as devidas previsões orçamentárias.
O objetivo, nesse caso, é essencialmente político já que os olhos dos conselheiros que desejam suceder Hermes Martins Cunha estão focados, particularmente, nos encargos advocatícios que a Federação foi obrigada a realizar para a defesa de interesses institucionais e das relações sindicais durante o período conturbado que levou o ex-presidente daquela entidade, Pedro Nadaf, inclusive a fazer delação premiada na Vara da Justiça Especializada que apurou desvios durante a gestão do ex-governador Silval Barbosa e de alguns integrantes do primeiro escalão de seu governo.
Hermes Martins da Cunha, atualmente no exercício da presidência, assumiu, estatutariamente a presidência em substituição ao ex-secretário e, desde então, vem promovendo os ajustes necessários à Federação para que a instituição possa virar a página e continuar a prestar serviços relevantes à sociedade matogrossense, em especial ao setor classista que representa.

 

documentos e representações estão anexadas a matéria em arquivo formato .zip