Logo
Quinta, 27 de setembro de 2018, 12h36
ELEIÇÕES 2018

Caneladas e golpes abaixo da cintura

Há um nítido esforço de MM (DEM) buscar encerrar a eleição no primeiro turno.
Para isso o candidato não tem poupado nenhum dos concorrentes que, ao melhorarem o desempenho, apontam para uma decisão em returno.

Isso, como se sabe, não convém a Mauro Mendes sempre às voltas com disputa pretérita em que esvaziou no segundo turno.

Por outro lado, Pedro Taques, gostou da cadeira do Palácio Paiaguás e, por sua vez, não pretende deixá-la sem um bom "pari-gato" (uma brincadeira cuiabana em que se espremia o concorrente até que este saltasse fora).
Com este objetivo vem demonstrando facetas até então ignoradas de MM, ainda que algumas tivesse ocupado o noticiário de forma desfavorável ao candidato.

Wellington Fagundes parece vir "comendo pelas beiradas", mas, por sua vez, aumentou o apetite e tamanho da colher, mesmo com o risco de queimar a língua.

Caneladas e golpes abaixo da linha de cintura

Nesta reta final entrou o "vale-tudo", ainda que alguns prefiram as modalidades mais recentes de UFC.
Alguns eleitores estão mais aguçadas para a escolha final e tendem a se influenciar com esses ataques por mais que todos falem em "propostas".

A linha propositiva já se esgotou e agora chegou o momento em que os defeitos de cada um serão comparados com as qualidades.

O único desconhecido do grande público, embora político profissional, é o senador Wellington Fagundes que, agora, vê acesa a possibilidade de disputar o segundo turno e aumentar o próprio cacife.
Mais emoção nesta reta final.