Cuiabá (MT), domingo, 25 de fevereiro de 2018
Turma do Epa
Terça, 05 de dezembro de 2017, 11h51
Chapeu Economia

Indústria cresce 5,3% em outubro, maior taxa desde abril de 2013

Foi a taxa mais elevada nesta base de comparação desde os 9,8% de abril de 2013.
Agência Brasil  / Cuiabá-MT

A produção industrial brasileira fechou o mês de outubro deste ano com crescimento de 5,3% em relação a outubro do ano passado, registrando a sexta taxa consecutiva de crescimento nesta base de comparação. Foi a taxa mais elevada nesta base de comparação desde os 9,8% de abril de 2013. Os veículos automotores, reboques e carrocerias foram a atividade que mais influenciou a alta.

Os dados fazem parte da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física Brasil, divulgada hoje (5), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em relação a setembro deste ano, o crescimento da indústria em outubro foi de 0,2%, o segundo resultado positivo consecutivo na série livre de influências sazonais. Nos últimos dois meses, a alta acumulada é de 0,6%.

Com o resultado de outubro, a indústria tem alta acumulada em 2017 de 1,9%, em comparação com primeiros dez meses do ano passado. Já o acumulado nos últimos doze meses avançou 1,5%. Foi o segundo resultado positivo consecutivo para o acumulado dos últimos doze meses e o mais elevado desde os 2,1% de março de 2014.

Apesar da relativa estabilidade entre setembro e outubro, o crescimento de 0,2% se deu de forma disseminada, com aumento da produção em 15 das 24 atividades pesquisadas. Em setembro, apesar do crescimento revisado de 0,3%, a expansão se deu em apenas oito das atividades pesquisadas.

Categorias econômicas

Em outubro, houve taxas positivas em duas das quatro grandes categorias econômicas. O grupo bens de consumo semi e não-duráveis cresceu 2% e registrou a expansão mais acentuada em outubro, interrompendo dois meses consecutivos de queda na produção - período em que acumulou redução de 2,8%. A categoria bens de capital teve crescimento de 1,1% e manteve o comportamento positivo iniciado em abril, período em que acumulou alta de 11,6%.

Já o setor de bens de consumo duráveis recuou 2% e o de bens intermediários  teve redução de 0,8%. No caso de bens de consumo duráveis, foi interrompida uma série de de três altas consecutivas, período em que acumulou ganho de 9,7%. Já o crescimento de bens intermediários eliminou o avanço de 0,7% verificado em setembro.

Ramos de atividades

O avanço de 15 dos 24 ramos de atividades pesquisados tem como destaque as influências positivas verificadas em farmoquímicos e farmacêuticos, que chegou a crescer 20,3%; e bebidas, com 4,8%. Ambos revertem os resultados negativos registrados no mês anterior: -19,7% e -0,7% respectivamente.

Também contribuíram positivamente a confecção de artigos de vestuário e acessórios (4,3%), a metalurgia (1,6%), as máquinas e equipamentos (1,3%) e os artefatos de couro, artigos para viagem e calçados (3,8%).

Entre os nove ramos que reduziram a produção nesse mês, o ramo produtos alimentícios (-5,7%) obteve o desempenho de maior relevância para a média global, eliminando a expansão de 3,7% verificada em setembro.

Outros impactos negativos foram registrados nos setores de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-2,6%) e de perfumaria, sabões, produtos de limpeza e de higiene pessoal (-3,2%).

Comparação com outubro de 2016

Na comparação com outubro do ano passado, em que se verificou crescimento de 5,3%, houve resultados positivos em todas as quatro grandes categorias econômicas, em 22 dos 26 ramos, em 61 dos 79 grupos e em 61,9% dos 805 produtos pesquisados.

Entre as atividades, a de veículos automotores, reboques e carrocerias, cujo crescimento chegou a 27,4%, exerceu a maior influência positiva sobre a média da indústria, “impulsionada, em grande parte, pela maior fabricação dos itens automóveis, caminhão-trator para reboques e semirreboques, caminhões, veículos para transporte de mercadorias e autopeças”, segundo a publicação.

Outras contribuições positivas relevantes vieram de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos(crescimento de 22%), de indústrias extrativas (3,1%), de máquinas e equipamentos (8,3%), de metalurgia (6,5%), de produtos de borracha e de material plástico (9,9%), de bebidas (8,3%) e de artigos do vestuário e acessórios (11,8%), entre outros.

Por outro lado, entre as quatro atividades que apontaram redução na produção no período, a principal influência no total da indústria foi registrada por coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-1,5%).

Entre as categorias econômicas, bens de consumo duráveis (17,6%) e bens de capital (14,9%) assinalaram os avanços mais acentuados entre as grandes categorias econômicas em outubro de 2017, em comparação com o mesmo mês do ano anterior.

Os segmentos de bens de consumo semi e não-duráveis (4,9%) e de bens intermediários (3,1%) também mostraram taxas positivas nesse mês, mas ambos com crescimento abaixo da média nacional (5,3%).

Os bens de comsumo duráveis tiveram em outubro de 2017 a 12ª taxa positiva consecutiva nesta base de comparação. Os 17,6% registrados foram 0,6 pontos percentuais acima do mês anterior.

Nesse mês, o setor foi particularmente impulsionado pelo crescimento na fabricação de automóveis (23,7%) e de eletrodomésticos da linha marrom (televisores e aparelhos de som e vídeo, com 19,7%). Vale citar também as expansões assinaladas por eletrodomésticos da linha branca (de maior porte, como geladeiras, fogões e lavadoras, com 5,9%), móveis (11,5%), outros eletrodomésticos (6,6%) e motocicletas (10,2%).

Já o setor de bens de capital mostrou crescimento de 14,9% no índice mensal de outubro de 2017, sexto resultado positivo consecutivo nesse tipo de comparação e o mais intenso desde dezembro de 2016 (16,3%).

*Matéria ampliada às 10h30. Título alterado às 10h05 para correção de informações: o crescimento de 5,3% é na comparação com o mês do ano passado, e não anual.


 leia também
Sexta, 23 de fevereiro de 2018
15:24
Chapeu crédito consignado
Vantagens do crédito consignando nesse momento de crise
Todos os anos, as instituições financeiras movimentam trilhões usando a modalidade de empréstimo conhecido como "crédito consignado".
15:16
Chapeu FECOMERCIO-MT
Justiça determina retorno de Hermes à presidencia
Decisão judicial considerou Assembleia irregular e viciada
10:35
Chapeu FECOMERCIO-MT
Hermes Martins reassume presidencia
Justiça do Trabalho impede golpe e reconduz presidente legítimo
10:27
Chapeu IPCA-15
Prévia da inflação fica em 0,38%, segunda menor taxa para fevereiro desde o Real
Essa foi a segunda menor taxa do IPCA-15 para meses de fevereiro desde a implantação do Plano em Real em 1994.
Quarta, 21 de fevereiro de 2018
19:03
Chapeu fpa
Cidinho Santos assume liderança de bancada A "frente" pauta os interesses da classe
Ao lado da deputada federal Tereza Cristina (DEM/MS), o parlamentar mato-grossense assume a liderança de uma das maiores bancadas do Congresso Nacional
18:57
Chapeu MUDANÇAS
Desistência de Maggi altera sucessão
Está muito difícil ser Oposição, apesar dos descontentes
Segunda, 19 de fevereiro de 2018
21:35
Chapeu DELAÇÃO
Propina de 1 milhão/mês
Cruzamento das delações de Doia e Antonio Barbosa (irmão de Silval) envolve deputados
11:45
Chapeu política
Temer se reúne com Conselho de Defesa Nacional e Conselho da República
No encontro, Temer vai explicar aos integrantes dos dois conselhos detalhes sobre a intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro.
11:41
Chapeu Previdência Social
Aposentados e pensionistas do INSS têm até fevereiro para comprovar vida
Até o último dia 8, mais de 3 milhões de beneficiários ainda não comprovaram o procedimento obrigatório.
11:32
Chapeu economia
Atividade econômica cresce 1,04% em 2017
O nível de atividade econômica no país registrou crescimento de 1,04% em 2017, em comparação com 2016, segundo o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br).

+ ver todas as matérias
Eparre

 Operação Bereré assusta


Empresários estão apreensivos com o andamento da "Operação Bereré" que apura desvios no Detran/MT. A EIG Mercados, executora de contrato para inserir ou retirar gravames e outros serviços informatizados, é acusada de repassar boa parte de sua receita com os serviços concedidos para agentes políticos e servidores públicos. Como há "graúdos" envolvidos o clima é de muita preocupação.

 Auto peças Virtual recebia "real"


Uma Loja de Auto Peças "virtual" faturou quase R$ 1,5 milhão de reais apenas em dezembro de 2016. Em outras palavras, o "esquema" iniciado na gestão Silval quase ultrapassa o mandato do atual governador.

 De carona


Júlio Campos pretende se candidatar a deputado federal já que Jaime pretende continuar apoiando Gilmar Fabris (DEM) que aportou emendas de R$ 5 milhões para Várzea Grande e já era compromisso político firmado. Júlio, ao disputar cargo para a Câmara dos Deputados Federais, poderá "surfar" até numa eventual candidatura de Jaime ao Senado.

 Na prática a teoria é outra


Bem verdade que as disputas proporcionais são uma briga de foice no escuro. Qualquer favoritismo de Jaime em relação ao irmão, numa disputa majoritária, pode trazer prejuízos à sua própria campanha. É outro lado da questão.

 Fundo de Estabilização Fiscal


O FEF tem mais cara de suicídio político e, dificilmente, será aprovado na Assembleia Legislativa em ano de disputas eleitorais com esse pano de fundo quase trágico que atinge a classe política. Que ninguém espere uma marcha ao cadafalso de qualquer deputado minimamente sensível nesse período pré-campanha. Alias, o "Conselho Político" do governador - se é que existe - deve ser composto por alguém que nunca disputou eleição.

 Mau pagador - "Involução"


O Governo do Estado até algum tempo atrás tinha a aura de "bom pagador". A verdade é que se não dispõe de recursos para contratar e pagar, melhor não fazer os contratos. Gera expectativas que não se realizam e transfere o ônus dos atrasos de pagamento para o empresariado que, de forma geral, sofre com o crédito curto na praça. Ou alguém imagina que o déficit ocorra no setor de pessoal do Estado?

 Folha terrível


O Estado vive em função do pagamento de salários. Todo mês é um "suspense". Os repasses federais parecem sumir pelo "ralo" mal chegam à Conta Única do Estado. Trata-se de um conflito permanente.

 "Seca-poço"


O dinheiro do Estado parece o velho e manjado cobertor "seca-poço". Se cobre a cabeça os pés ficam de fora; se cobre os pés é a vez da cabeça ficar ao sabor do tempo.
O jeito, mesmo, é se encolher.

Eparre

Sexta, 16 de fevereiro de 2018
K.W.
Estranha a edição. Essas agressões na Fecomercio não são gratuitas. Há muita sede de poder. Só pode.

Sexta, 15 de dezembro de 2017
Juvenal
Respondendo ao amigo.
Ficou para depois do carnaval..
Vai Brasillll!!!

Sexta, 08 de dezembro de 2017
Roberto Alves
Alguém acredita que a reforma da previdência sai em 2017?

Terça, 15 de agosto de 2017

Vocês estão todos no grampo. Se não for ilegalmente alguém da Justiça já deve ter determinado grampo em vocês. Ta todo mundo quietinho e aprovando prisão de qualquer jeito e vocês acham que prisão é pro cara ficar no bem bom?

DEIXE SUA OPINIÃO OU COMENTÁRIO
Nome:
Texto:
Email:
Coluna:
Vídeos
 HUMOR
Bulldog inglês tirando a maior onda de surfista com o resto da cachorrada
HOME  |   TURMA DO EPA  |   PANORAMA  |   VÍDEOS  |   LEITURA  |   EPARRÊ  |   EPA DOS LEITORES
BROADCAST  |   QUEM SOMOS  |   DIREITO DE RESPOSTA  |   ANÚNCIOS  |   CANAL RSS  |   CONTATO
Copyright © 2011 - Turma do Epa. Todos os direitos reservados