Cuiabá (MT), sexta, 18 de agosto de 2017
Eparre
Segunda, 07 de agosto de 2017
Ico_twitter  Ico_facebook

Prisão de Paulo Taques

A prisão do ex-secretário-chefe da Casa Civil do governador com o respectivo encaminhamento ao Centro de Custódia do Carumbé foi o assunto do final de semana nas mais diversas rodas. Alguns culpabilizando o secretário, outros, estranhando a dureza da decisão já que as informações sobre as "interceptações telefônicas" são bastante confusas.


Ico_twitter  Ico_facebook

Supressão de instância

Para os operadores do Direito o decreto de prisão cautelar não pode subsistir devido à supressão de instância já que o Coronel Siqueira, secretário de Justiça e Direitos Humanos figura no inquérito apenas como depoente e, portanto, em não sendo indiciado, incapaz de deslocar a competência para o TJ/MT por prerrogativa de foro como fundamentado na decisão proferida pelo desembargador.


Ico_twitter  Ico_facebook

Os "valentões"

O governador Pedro Taques, embora defenda a separação entre Poderes, perguntou onde estavam os "valentões" que não conseguiram impedir a roubalheira promovida pelo ex-governador Silval Barbosa, que se confessou "chefe de uma organização criminosa" e a sua briosa equipe que "fazia as cobranças de propina com alegria". Os mais chegados não viram correlação, mas, para lembrar, as "interceptações" começaram em 2014, antes, portanto, da posse de Pedro Taques.


Ico_twitter  Ico_facebook

Descompasso

Pedro Taques respondeu de forma educada ao presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (PSB) que acusou o governo de incompetência. Disse que o Executivo propôs, para a PEC dos Gastos, uma redução de 15% nos duodécimos, ou seja, todos precisam apertar os cintos. Essa necessidade de ajuste orçamentário tem emperrado o avanço do projeto. Esse é um caso. Há outros sob exame e tomada de posição de classes interessadas. E, nesse quesito, embora não se trate de Carnaval, a incompetência é de todos.


Ico_twitter  Ico_facebook

Taques e comparações

O governador aproveitou para comparar: o governo anterior entregou resfriadores de leite comprados por R$ 22,000,00. O atual governo, entregou mais resfriadores, de mesmo porte, adquiridos por R$ 11.000,00. E, em matéria de patrulhas mecanizadas, a conta vai mais longe. O atual governo ganha de goleada no atendimento às necessidades dos municípios.


Ico_twitter  Ico_facebook

Sem reflexos

Wilson Santos, secretário de Cidades, entende que o episódio que atingiu o primo do governador, não vai suprimir o favoritismo de Taques para a reeleição. Foi direto ao ponto: se não fosse Pedro Taques à frente de um governo honesto, Mato Grosso estaria passando tanta dificuldade quanto os outros Estados. E repetiu o governador ao dizer que os atrasos se devem à priorização da saúde.


Quinta, 03 de agosto de 2017
Ico_twitter  Ico_facebook

Cabresto curto nos deputados federais

Apenas o deputado federal Ságuas Moraes (PT) votou contra a investigação do presidente da República Michel Temer pelo Supremo Tribunal Federal, apesar de todas as evidências de que era o destinatário final da mala com R$ 500 mil reais, transportada por um apressado Rocha Loures, hoje usando tornozeleira eletrônica. Votaram contra as investigações: Carlos Bezerra (PMDB), Rogério Silva (PMDB), Ezequiel Fonseca (PP), Adilton Sachetti (PSB), Fábio Garcia (PSB), Nilson Leitão (PSDB) e Rogério Galli (PSDB).


Ico_twitter  Ico_facebook

Contrariando a alta plumagem

Nilson Leitão quando interpelado, durante a votação por não seguir a orientação do Partido, disse que estava "dentro" do Planalto de onde a bancada ruralista conseguiu as MPs que tanto agradaram aos produtores e dando resposta satisfatória ao seu eleitorado pela profusão de "emendas parlamentares" pagas capazes de ampliar a sua base eleitoral no Estado e, quem sabe, possibilitar voos mais altos.


Ico_twitter  Ico_facebook

Continuará emplumado

O líder tucano no Estado garantiu que vai continuar "emplumado" trabalhando pela reeleição própria. Isso no mínimo. Acredita que os custos de apoiar Temer já foram devidamente compensados e "se o cavalo passar arreado vai disputar o Senado".


Ico_twitter  Ico_facebook

"Uns choram, outros riem"

A política é pródiga em provocar situações em que "uns choram, outros riem". Bem provável que nenhum dos federais vá encontrar dificuldades à reeleição por terem apoiado o presidente mais impopular da história desde que não faltem, óbvio, "argumento$" para a campanha.


Ico_twitter  Ico_facebook

Júlio Campos em confronto com o clã

Os "laços de família" do clã Campos não estão lá fortes assim na política. Jaime e Lucimar vão apoiar a reeleição de Gilmar Fabris para deputado estadual e lembram que Júlio Neto, apesar de todo o investimento, não chegou sequer à suplência na eleição passada. Para Jaime, "trato é trato".


Ico_twitter  Ico_facebook

"Pescador de águas turvas"

Curiosa a reação de pastores em relação à tentativa de cooptação do vereador petista, Allan Kardec, para o "seu" PSB que o transformam, agora, "em pescador de águas turvas". Será porque, hein?


Terça, 01 de agosto de 2017
Ico_twitter  Ico_facebook

Grampos e ampliação do espectro

A investigação sobre as escutas clandestinas vai se desdobrando em outros alvos para que a Justiça possa, ao final, se manifestar sobre o caso. A notícia sobre as interceptações telefônicas clandestinas revestiu-se de um início de perplexidade e enveredava para o "sangue nos olhos" em absoluto fervor investigatório.


Ico_twitter  Ico_facebook

Muita calma nessa hora

Se houve alguma descompensação no ambiente das unidades em que os militares envolvidos cumprem prisões cautelares não se deve chegar ao exagero de, em cognição cautelar de cidadãos fardados que não oferecem quaisquer riscos à sociedade, serem segregados em "regime diferenciado de cumprimento de pena" em Presídios Federais de segurança máxima.


Ico_twitter  Ico_facebook

Adjetivação excessiva

Houve adjetivação excessiva em detrimento da inspeção singular dos locais onde os militares estavam e ainda estão presos preventivamente. E não se conhece em quaisquer regulamentos que os locais de recolhimento em Quartéis devam se transformar em "casas de suplício". O conforto razoável deveria ser a regra geral em quaisquer estabelecimentos prisionais e não as masmorras fétidas e purulentas de nosso sistema prisional. Isso, válido para todo o Brasil.




« anterior    |    1 - 2 - 3 - 4 - 5    |    próxima »
Eparre

Terça, 15 de agosto de 2017

Vocês estão todos no grampo. Se não for ilegalmente alguém da Justiça já deve ter determinado grampo em vocês. Ta todo mundo quietinho e aprovando prisão de qualquer jeito e vocês acham que prisão é pro cara ficar no bem bom?

Sexta, 04 de agosto de 2017
Ubiraci Carvalho
Caramba! Que rolo togado esses tais grampos. É um envolvendo o outro e outro envolvendo o um e mais um. VOte.

Sexta, 04 de agosto de 2017
K.W
Por mais que o povão gosta da desgraça alheia é bom ficar claro que prisão não é sala de suplício. Ou precisa desenhar?

Sexta, 04 de agosto de 2017
Odacil Ferreira
Gosto da informação apurada como estas que vcs publicam. E a seriedade com que tratam o assunto. As posições onde vcs se expressam através da coluna são absolutamente corretas. Querem fazer os militares bodes expiatórios e passarem por cima das leis. Onde já se viu querer mandar um coronel ex-comandante da PM, um ex-chefe da Casa Militar para um Presídio de segurança máxima? Regime Diferenciado é para cumprimento de pena ou excepecionalíssimo e não para servir a mesquinharias e a jogo de vaidades.

DEIXE SUA OPINIÃO OU COMENTÁRIO
Nome:
Texto:
Email:
Coluna:
Vídeos
 INFORME PUBLICITÁRIO
MT EM AÇÃO - PROCON
HOME  |   TURMA DO EPA  |   PANORAMA  |   VÍDEOS  |   LEITURA  |   EPARRÊ  |   EPA DOS LEITORES
BROADCAST  |   QUEM SOMOS  |   DIREITO DE RESPOSTA  |   ANÚNCIOS  |   CANAL RSS  |   CONTATO
Copyright © 2011 - Turma do Epa. Todos os direitos reservados