Cuiabá (MT), domingo, 30 de abril de 2017
Eparre
Segunda, 17 de abril de 2017
Ico_twitter  Ico_facebook

Falencia partidária

Os Partidos Políticos entram em processo falimentar. Para evitarem a derrocada geral preparam uma reforma política com o voto em "lista fechada" com ordem de colocação pela caciquia partidária que poderia, com o mesmo efeito, ser substituída pela votação popular para ordenar do primeiro ao último. Ninguém, no tanto, deseja o simples e evidente se é necessário, para a autopreservação, fugir ao óbvio e ululante.


Sexta, 26 de agosto de 2016
Ico_twitter  Ico_facebook

Bate-boca (1)

O primeiro foi na sessão de impeachment. A senadora Gleisi Hoffman (PT) e o senador Ronaldo Caiado (DEM) protagonizaram uma discussão séria que chegou ao ponto da senadora dizer que "os senadores não têm condições morais de julgar a presidenta Dilma". De fato, não têm. O povo já aprendeu como se comportam os políticos e eventuais exceções não desmerecem a regra geral: aprendem a malandragem no exercício da vereança, aperfeiçoam como prefeito, melhoram mais como deputados estaduais, especializam-se como deputados federais e refinam-se como senadores.


Ico_twitter  Ico_facebook

Bate boca (2)

Carlos Fávaro (PSD), vice-governador, e o deputado federal Fábio Garcia (PSB) também trocaram desaforos em tom alto. Precisou intervenção da "turma do deixa-disso" para as coisas se acalmarem.


Ico_twitter  Ico_facebook

Barranco x Taborelli

O deputado eleito Waldir Barranco (PT) que até hoje não conseguiu exercitar o mandato por rejeição de contas pelo TCE foi beneficiado pela decisão do Supremo Tribunal Federal que suspendeu as inelegibilidades decretadas pela Corte de Contas. Assume em lugar de Pery Taborelli (PV), este em plena campanha para a Prefeitura de Várzea Grande.


Ico_twitter  Ico_facebook

Começou o horário eleitoral gratuito

As "inserções" no Rádio e TV começaram e, com isso, as campanhas majoritárias se encorpam. Os "VTs", jingles e spots, peças publicitárias utilizadas nessas ocasiões, são bastante criativos. Em regra não diferem da qualidade do material produzido pelas Televisões e, em alguns canais, são até melhores.


Ico_twitter  Ico_facebook

Bombardeio

No ritmo proposto pela nova legislação eleitoral, as tais "inserções" vão se constituir em autêntico bombardeio. Não vão poupar os programas de maior audiência. É exatamente o que esperam as coordenações de campanha que consideram o horário eleitoral gratuito essencial.


Ico_twitter  Ico_facebook

Largada x chegada

Como sempre a velha discussão: quem será o alazão e quem o "cavalo paraguaio". O último é bom de arranque mas se cansa ao longo da campanha. O segundo costuma manter o galope com constância e por mais tempo. O problema está na variável tempo: será que os "cavalos paraguaios", enfim, terão reconhecida a capacidade de arrancada?


Ico_twitter  Ico_facebook

Nanicos

Com a decisão do STF, os candidatos de Partidos nanicos voltam a participar dos debates eleitorais a depender dos resultados que obtenham em pesquisas registradas nos Tribunais e que demonstrem a relevância da respectiva participação. Taí. Mais "judicialização" da política.


Terça, 23 de agosto de 2016
Ico_twitter  Ico_facebook

Rufando tambores

As "tribos" políticas rufam tambores num claro sinal de que se preparam para um forte embate eleitoral. Como se sabe, o rufar de tambores, tinha exemplo psicológico sobre a tropa e, às vezes, o som era tão alto que muitos soldados debandavam antes dos tiros dos canhões.


Ico_twitter  Ico_facebook

Cavalos brancos

Nesta fase todos os comandantes parecem montados nos respectivos e ornamentados cavalos brancos para liderarem as batalhas com o cuidado, é claro, de se cercarem de bons guerreiros capazes de lhes abrirem passagem e conterem eventuais ameaças. Em realidade há alguma semelhança com o jogo de xadrez: o rei sem movimentos ou proteção determina o fim da partida.


Ico_twitter  Ico_facebook

Cavalos "paraguaios"

Mas há os, também, "cavalos paraguaios" que chegam à corrida reluzentes, bem nutridos e paramentados capazes de impressionar a plateia pelo simples olhar. O problema, ao fim, é o desempenho na corrida já que este animal é conhecido pela pujança no arranque e dificuldades de chegada.


Ico_twitter  Ico_facebook

Emanuel não é contra Taques

O deputado Emanuel Pinheiro, atualmente no PMDB, enfatiza que não é contra o governador Pedro Taques, mas, em seguida, desfecha um ataque sobre os atrasos nas obras do VLT como se o atual chefe do Paiaguás não tivesse herdado o problema da gestão Silval Barbosa à qual o deputado, por clara conveniencia eleitoral, prefere se manter distante.


Ico_twitter  Ico_facebook

Nem parece do mesmo PMDB

Emanuel Pinheiro, enquanto Silval era governador, frequentava as rodas do poder com assiduidade. Mantinha "relações umbilicais" com o governo Silval que, agora envolvido em sérios problemas com a Justiça, parece leproso aos antigos puxa-sacos. Se Emanuel pudesse diria jamais ter pertencido ao PMDB ao invés de se posicionar como seu líder, Carlos Bezerra, que lavrou: "O PMDB tem gente como em todos os Partidos e cada um responde pelas decisões que tomar e pelo mal que fizer".


Ico_twitter  Ico_facebook

Prodigalidade nas emendas

Enquanto desfilava pelos centros de decisão no governo passado, Emanuel Pinheiro conseguia, como ninguém, liberar as respectivas "emendas parlamentares". Silval tinha lá seu "time predileto" e o atual candidato a prefeito era um deles. Talvez seja por isso que o deputado tenha mirado o governador a quem promete não atacar, mas, ataca.


Ico_twitter  Ico_facebook

Contrariando Antero

Parece que Emanuel Pinheiro (PMDB), com personalidade própria, resolveu contrariar seu marqueteiro, Antero Paes de Barros, que foi o primeiro a erguer a "bandeira branca" ao pedir que o governador, independente de quem for o prefeito, dedique afinco a Cuiabá. Pois é. APB precisa, mais do que dizer à imprensa, falar isso no ouvido de seu candidato.




« anterior    |    1 - 2 - 3 - 4 - 5    |    próxima »
Eparre

Sexta, 28 de abril de 2017
Anabel
Gostaria de saber porque vocês tomaram partido nesta disputa com o Antonio Joaquim. Se os tubarãoes da soja pagarem impostos todos nós vamos pagar menos.

Quinta, 27 de abril de 2017
Zeferino Arruda
Eu não gostaria que meus dados fossem compartilhados com ninguém. Já pago impostos demais pra ficarem vasculhando minha vida. O TCE precisa é escolher melhor seus conselheiros.

Quinta, 27 de abril de 2017
Jocimar Arantes
Vcs publicam um comentário? O que o Taques quer? Reeleição. O que o Antonio Joaquim quer? Ser governador. Os dois precisam combinar com o povo.

Quarta, 26 de abril de 2017
Lourival Ferreira
Ainda estamos no século XIX em matéria de colonização. Quem tem mais pólvora no bacamarte é quem vira dono. Ou quem mata mais índios.

DEIXE SUA OPINIÃO OU COMENTÁRIO
Nome:
Texto:
Email:
Coluna:
Vídeos
 INFORME PUBLICITÁRIO
Mato Grosso Mais - Governo do Estado presta homenagens aos 298 anos de Cuiaba
HOME  |   TURMA DO EPA  |   PANORAMA  |   VÍDEOS  |   LEITURA  |   EPARRÊ  |   EPA DOS LEITORES
BROADCAST  |   QUEM SOMOS  |   DIREITO DE RESPOSTA  |   ANÚNCIOS  |   CANAL RSS  |   CONTATO
Copyright © 2011 - Turma do Epa. Todos os direitos reservados