Cuiabá (MT), sexta, 19 de abril de 2019
Leitura

Terça, 11 de março de 2014, 16h03
Chapeu_leitura artigo

Salário mínimo e distribuição de renda

Juacy da Silva


Um dos grandes males do Sistema capitalista, segundo vários estudiosos da dinâmica social e econômica em várias sociedades, é a exploração do trabalhador assalariado, successor do sistema escravagista, em que o trabalhador tinha um “status” praticamente assemelhado aos animais de carga, os quais mereciam e ainda merecem apenas a comida e alguns cuidados extras-para poderem continuar prestando seus serviços aos donos.
Neste sentido, o surgimento do trabalho assalariado em substituição ao trabalho escravo, pode ser considerado um grande avanço, tanto em termos econômicos quanto sociais e políticos. Afinal, a abolição do trabalho escravo atendeu aos reclamos do setor empresarial que precisava ampliar o mercado consumidor, tanto interno em cada país quanto internacional, entre os vários países. A presença do trabalho escravo ou em situaçao análoga nos dias  de hoje em vários países, inclusive no Brasil é um resquício de práticas desumanas e indígnas que foram abolidas há mais de um século e meio.
Com o surgimento do trabalho assalariado, milhões de pessoas passaram a contar com recursos financeiros para poderem comprar bens e serviços que antes  eram privilégios das camadas mais abastadas ou os chamados “homens livres”. De forma semelhante, dispondo de “dinheiro vivo”, a massa trabalhadora também passou a desfrutar de padrões, nível e qualidade de vida muito melhor do que os desfrutados pelos escravos e pelos servos de gleba, em períodos anteriores.
Todavia, apesar dessas transformações serem consideradas avançadas  ou  até mesmo revolucionárias,  principalmente a partir de meados e final do século dezenove, lembrando que a escravidão no Brasil só foi completamente abolida em 1.888; as condições de trabalho e de vida dos operários em todos  os países, ainda eram consideradas quase sub-humanas  e muito próximas `as dos escravos.
A ausência  de leis que regulassem as relações de trabalho favoreciam a exploração dos trabalhadores por parte dos empresários, incluindo locais de trabalho insalubres e perigosos, jornadas  de trabalho extenuantes, chegando as vezes até a 18 horas por dia; inexistência de folgas semanais, de férias e licenças para tratamento de saude  renumeradas; ausência de seguridade social, garantia de emprego e proteção contra demissões injustas e arbitárias e a inexistência de um piso salarial mínimo, para uma determinada jornada de trabalho,  além da proibição da oranização de associações e sindicatos.
As reclamações e reivindicações por melhores salários e outras condições de trabalho eram probidas e consideradas “casos de polícia”.Quando tais manifestações ou protestos ocorriam os participantes, principalmente seus líderes, eram perseguidos, presos e muitas vezes torturados sem piedade, para que servissem  de exemplo e desestimulasse outros trabalhadores a buscarem o que hoje consideramos direitos líquidos e certos, amparados pelas leis.
Em um contexto como este, é fácil perceber que o Estado e os governos estavam, como em certo sentido ainda hoje estão, a serviço dos interesses econômicos e jamais preocupados com a sorte e o futuro da classe trabalhadora. Uma das razões é que naquela época , na maioria dos países , os governantes  eram escolhidos por critérios diversos, onde o grande ausente sempre era o povo. Só a partir do início do século vinte é que começa a tomar corpo a idéia da democracia, onde ao povo cabe o direito de escolher livremente seus governantes.
Nota-se, por exemplo, que apenas nos anos trinta no Brasil o voto direto e secreto foi implantado, antes imperava o voto de qualidade, vinculado a renda que as pessoas demonstravam ter. Mesmo assim, ficavam de fora os analfabetos e as mulheres, ou seja, a grande maioria do povo brasileiro. O  voto de cabresto possibilitava aos coroneis , tanto rurais quanto urbanos, a manterem as rédeas da política e o povo continuava excluido do processo  politico, da liberdade de escolha dos governantes e dos possíveis benefícios que pudessem ser prestados pelos poderes públicos.
Assim, o surgimento do salário mínimo nos EUA e posterioremente no Brasil, ocorre em um contexto de várias outras mudanças  e transformações políticas, econômicas, tecnológicas e sociais.
Em uma próxima oportunidade vamos ver como tudo isto tem a ver com o desenvolvimento e com a distribuição de renda, de forma mais acentuada em alguns países e de forma muito lenta e tênue em outros, como no   Brasil, por exemplo.



Juacy da Silva

Professor universitário, titular e aposentado UFMT, mestre em sociologia. Blog www.professorjuacy.blogspot.com Email professor.juacy@yahoo.com.br Twitter@profjuacy


 leia também

Eluise Dorileo
Domingo, 17 de dezembro de 2017
É tempo de gratidão
Estamos perto do Natal. Esse é um momento de gratidão por todo o ano que passou.
Wilson Alves da Silva
Quinta, 16 de novembro de 2017
O transporte alternativo pede socorro
O serviço de táxi-lotação, micro-ônibus foi instituído em Cuiabá pela Lei Municipal 2.758/1990 e começou a operar nas linhas de Cuiabá na gestão do ex-prefeito Frederico Campos.
Benedito Figueiredo Junior
Domingo, 14 de maio de 2017
Cirurgia plástica pós-gravidez
A Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica aconselha de 6 meses a um ano para se pensar em realizá-las

+ ver todas os artigos
Eparre

 Choro


As eleições passaram e, como é natural, os derrotados entram no período de catarse, para depois, de forma racional avaliarem os erros e se reciclarem para as próximas eleições sem perder de vista que a democracia é a alternância do poder.

 Ranger de dentes


As disputas, em todos os níveis, adotaram um tom francamente belicista e com uma novidade: a profusão de Fake News (mentiras) difundidas pelas redes sociais, em especial pelo aplicativo whatszapp, numa escala inédito e com características de uma autêntica "guerra híbrida". Há muita maracutaia camuflada e que ainda pode aflorar embora nessa área de TI, os Tribunais Eleitorais e o próprio TSE se revelaram totalmente despreparados para impedir a propagação de notícias falsas.

 Papo furado


O ministro Fux, que ocupou a presidência do TSE, fez muita viagem, inclusive pela Europa, acenando com as consequências das "Fake News" com possibilidade, inclusive, de anular uma eleição. É mais uma das muitas fanfarronices do ministro conhecido por "peruqueiro" já que usa o complementa para dar trato à silhueta com uma vasta cabeleira e acentuado topete. Algo tão falso quanto as suas próprias opiniões no estilo "biruta de aeroporto".

 Deu no que deu


Confrontos inúteis, falhas amadoras nas relações com a imponente casta do funcionalismo público, foram o pano de fundo para a derrota de Pedro Taques que sequer conseguiu levar a eleição para um segundo turno, mesmo com a pretensão de Wellington Fagundes. Se existe algo mais conservador do que o "tucanato", a rejeição ao governador de saída merece toda a culpa. O eleitor não aprovou a sua gestão.

 Esperanças e...a espera


A candidatura de Mauro Mendes, tanto quanto a de Jayme Campos, era fava contada. A sua gestão à frente da Prefeitura e o fato de ter evitado uma candidatura a reeleição para não reproduzir a "trajetória Wilson Santos" foram decisivas para o afastamento, nem tão afastado, da pretensão de Mauro Mendes chegar ao governo do Estado lastreado no prestígio de sua passagem pela Prefeitura da capital, construído, em grande parcela pelo desmedido apoio do governador Pedro Taques à sua gestão. Méritos próprios, sim, mas com um apoio inegável do governador apeado.

 Corecon, nova fase


Evaldo Silva, um dos líderes da Chapa 2 - "Valorizando o Economista", conseguiu traduzir de forma simbólica o esforço que, ao lado de colegas de ofício, pretende imprimir à gestão, a valorização profissional, resgatando a garra dos antigos associados, representados na homenagem que lhes foi prestada nas figuras do professor Fernando Avalia e da economista Agda Salceco, ainda militante aos 76 anos de idade. Um gesto respeitoso e bastante simbólico.

Eparre

Terça, 25 de setembro de 2018
Jurandir
Tá difícil escolher um candidato a governador. Tirante os desconhecidos, só safados.

Segunda, 24 de setembro de 2018
Luiz Roberto
Acho que o pau vai torar no segundo turno. O MM se não ganhar no primeiro não leva depois. Pode anotar. Quanto ao Corecon é mais uma das brigas como as do CRECI, CREA, CRA, CRM...Se é prestação gratuita de serviços é de estranhar tamanha generosidade. Algum benefício tem. Mesmo indireto, mas tem. Prestígio, por exemplo. Vale mais que dinheiro.

Segunda, 24 de setembro de 2018
Manoel Fernandes
Acho que o Corecon ganhou mais organização e seriedade. Sempre há uma ovelha manca em todo rebanho, mas, essa se machucou sozinha.

Domingo, 23 de setembro de 2018
Edvaldo
Entra conselho e sai conselho, Sindicados e Conselhos Regionais continuam na mesma. Um grupo que entra não quer sair e o que sai sempre quer voltar. Deve ser bom, né?

DEIXE SUA OPINIÃO OU COMENTÁRIO
Nome:
Texto:
Email:
Coluna:
Vídeos
 HUMOR
10 coisas que você não deve fazer num velório!
HOME  |   TURMA DO EPA  |   PANORAMA  |   VÍDEOS  |   LEITURA  |   EPARRÊ  |   EPA DOS LEITORES
BROADCAST  |   QUEM SOMOS  |   DIREITO DE RESPOSTA  |   ANÚNCIOS  |   CANAL RSS  |   CONTATO
Copyright © 2011 - Turma do Epa. Todos os direitos reservados