Cuiabá (MT), sexta, 19 de abril de 2019
Leitura

Quarta, 26 de março de 2014, 09h51
Chapeu_leitura artigo

CPI da Petrobrás

Juacy da Silva


Encerrado, praticamente, o julgamento, a condenação e a prisão dos principais envolvidos no caso do MENSALÃO, que, pela primeira vez levou ao banco dos réus e depois `a cadeia, mesmo que seus cabeças tenham recebido penas brandas quando comparadas com os operadores do que, até então imaginava ser o maior escândalo de corrupção ocorrido durante o Governo Lula, parece que a sociedade brasileira está diante de mais um escândalo de má gestão na maior companhia estatal brasileira, a PETROBRÁS.
Quando estourou o escândalo do MENSALÃO, o então Presidente da República dizia que o mesmo não existia, que era obra de ficção política, que tudo não passava de intriga da oposição, alimentada por uma imprensa conservadora. Passados alguns dias ou semanas como as evidências apontavam para a realidade dos fatos, rapidamente  Lula demitiu o homem forte do Govero, verdadeiro primeiro-ministro e  em seu lugar colocou a então Ministra das Minas e Energia, a gestora  competente, durona e pouco dada `as lides do diálogo com parlamentares, Dilma Roussef.
Enquanto o Ministério Público lentamente investigava as denúncias do MENSALÃO, aos poucos o marketing do Palácio do Planalto e do PT  “blindavam” Lula para que nada respingasse na imagem do Presidente, que acabou sendo reeleito pouco depois. Ao mesmo tempo Lula já havia  escolhido sua sucessora,  no lugar que antes todos imaginavam seria ocupado por José Dirceu. Para tanto era importante construir uma nova imagem da que viria a ser a mãe do PAC, uma ministra menos carrancuda, aberta ao diálogo com parlamentares e caciques políticos, competente, meticulosa e com enorme capacidade de liderança e de chefia, qualidades importantes para o  exercício de seu próximo, naquela época ainda distante, cargo,que seria a Presidência da República.
Tudo ia dando certo, apontando para sua reeleição tranquila, mesmo que ao longa  caminhada tivessem ocorrido alguns sobressaltos  como as grandes manifestações de meados do ano passado, quando milhões de pessoas sairam as ruas para protestarem contra a corrupção, a baixa qualidade dos serviços públicos e o caos que reinava e continua reinando na segurança pública, na saúde, na educação e em vários setores da infra-estrutura como energia, logística e outras mais.
Bastou remexer um pouco no baú do tempo e o que parecia céu de brigadeiro no voo solo a caminho da reeleição, parece que começa a ocorrer uma grande turbulência no cenário politico brasileiro, muito semelhante quando do início do movimento que levou ao impeachment do então Presidente Collor.
Um negócio, aparentemente  rotineiro, realizado pela PETROBRÁS em 2006, ainda no primeiro Governo Lula, que contou com o aval pessoal da então ministra da Casa Civil, Dilma Roussef, acabou se transformando no estompim de uma provável crise politica com muitos desodobramentos.  O negócio, na  verdade aparenta ter sido uma das maiores negociatas já ocorridas na história da Petrobrás, acarretando um prejuizo de mais de um bilhão de dólares, tudo isso com o aval do Governo Lula e de seus representantes no Conselho da maior estatal brasileira, incluindo a atual Presidente da República.
A prisão recente de um ex-Direetor da PETROBRÁS pelo seu envolvimento com as  investigações da operação lava-jato, cujo esquema , conforme informações veiculadas pela imprensa podem ultrapassar a lavagem de mais de 10 bilhões de dólares, quase que ao mesmo tempo que a demissão de um Diretor da Petrobrás Distribuidora, que na condição de Diretor Internacional da PETROBRÁS  foi o responsável pela condução da negociata e do parecer aprovado pelo Conselho da Empresa e da Ministra Dilma,  deixa dúvidas sobre inúmeros aspectos desta desastrada operação.
Se a própria presidente disse em nota publicada há poucos dias que seu voto foi baseado em um resumo técnico falho e incompleto, apesar de que esta sua versão acabou sendo contestada por antigos dirigentes da Estatal, cabe ao Congresso Nacional, em nome do povo brasileiro  e não como  instância política  subordinada ao Executivo, com competência, independência e altivez, investigar tais fatos e outros mais que possam restabelecer a transparência sobre os negógicios conduzidos por gestores públicos, pouco importa o escalão administrativo.
Afinal, todos os governantes devem  estar sob  o império da Lei, da ética , da transparência, da competêcia e da responsabilidade, inclusive Dirigentes de Estatais, Ministros e até mesmo  o ou  a Presidente  da República. O momento é este, CPI da Petrobrás, já!



Juacy da Silva

Professor universitário, titular e aposentado UFMT, mestre em sociologia. Blog www.professorjuacy.blogspot.com Email professor.juacy@yahoo.com.br Twitter@profjuacy


 leia também

Eluise Dorileo
Domingo, 17 de dezembro de 2017
É tempo de gratidão
Estamos perto do Natal. Esse é um momento de gratidão por todo o ano que passou.
Wilson Alves da Silva
Quinta, 16 de novembro de 2017
O transporte alternativo pede socorro
O serviço de táxi-lotação, micro-ônibus foi instituído em Cuiabá pela Lei Municipal 2.758/1990 e começou a operar nas linhas de Cuiabá na gestão do ex-prefeito Frederico Campos.
Benedito Figueiredo Junior
Domingo, 14 de maio de 2017
Cirurgia plástica pós-gravidez
A Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica aconselha de 6 meses a um ano para se pensar em realizá-las

+ ver todas os artigos
Eparre

 Choro


As eleições passaram e, como é natural, os derrotados entram no período de catarse, para depois, de forma racional avaliarem os erros e se reciclarem para as próximas eleições sem perder de vista que a democracia é a alternância do poder.

 Ranger de dentes


As disputas, em todos os níveis, adotaram um tom francamente belicista e com uma novidade: a profusão de Fake News (mentiras) difundidas pelas redes sociais, em especial pelo aplicativo whatszapp, numa escala inédito e com características de uma autêntica "guerra híbrida". Há muita maracutaia camuflada e que ainda pode aflorar embora nessa área de TI, os Tribunais Eleitorais e o próprio TSE se revelaram totalmente despreparados para impedir a propagação de notícias falsas.

 Papo furado


O ministro Fux, que ocupou a presidência do TSE, fez muita viagem, inclusive pela Europa, acenando com as consequências das "Fake News" com possibilidade, inclusive, de anular uma eleição. É mais uma das muitas fanfarronices do ministro conhecido por "peruqueiro" já que usa o complementa para dar trato à silhueta com uma vasta cabeleira e acentuado topete. Algo tão falso quanto as suas próprias opiniões no estilo "biruta de aeroporto".

 Deu no que deu


Confrontos inúteis, falhas amadoras nas relações com a imponente casta do funcionalismo público, foram o pano de fundo para a derrota de Pedro Taques que sequer conseguiu levar a eleição para um segundo turno, mesmo com a pretensão de Wellington Fagundes. Se existe algo mais conservador do que o "tucanato", a rejeição ao governador de saída merece toda a culpa. O eleitor não aprovou a sua gestão.

 Esperanças e...a espera


A candidatura de Mauro Mendes, tanto quanto a de Jayme Campos, era fava contada. A sua gestão à frente da Prefeitura e o fato de ter evitado uma candidatura a reeleição para não reproduzir a "trajetória Wilson Santos" foram decisivas para o afastamento, nem tão afastado, da pretensão de Mauro Mendes chegar ao governo do Estado lastreado no prestígio de sua passagem pela Prefeitura da capital, construído, em grande parcela pelo desmedido apoio do governador Pedro Taques à sua gestão. Méritos próprios, sim, mas com um apoio inegável do governador apeado.

 Corecon, nova fase


Evaldo Silva, um dos líderes da Chapa 2 - "Valorizando o Economista", conseguiu traduzir de forma simbólica o esforço que, ao lado de colegas de ofício, pretende imprimir à gestão, a valorização profissional, resgatando a garra dos antigos associados, representados na homenagem que lhes foi prestada nas figuras do professor Fernando Avalia e da economista Agda Salceco, ainda militante aos 76 anos de idade. Um gesto respeitoso e bastante simbólico.

Eparre

Terça, 25 de setembro de 2018
Jurandir
Tá difícil escolher um candidato a governador. Tirante os desconhecidos, só safados.

Segunda, 24 de setembro de 2018
Luiz Roberto
Acho que o pau vai torar no segundo turno. O MM se não ganhar no primeiro não leva depois. Pode anotar. Quanto ao Corecon é mais uma das brigas como as do CRECI, CREA, CRA, CRM...Se é prestação gratuita de serviços é de estranhar tamanha generosidade. Algum benefício tem. Mesmo indireto, mas tem. Prestígio, por exemplo. Vale mais que dinheiro.

Segunda, 24 de setembro de 2018
Manoel Fernandes
Acho que o Corecon ganhou mais organização e seriedade. Sempre há uma ovelha manca em todo rebanho, mas, essa se machucou sozinha.

Domingo, 23 de setembro de 2018
Edvaldo
Entra conselho e sai conselho, Sindicados e Conselhos Regionais continuam na mesma. Um grupo que entra não quer sair e o que sai sempre quer voltar. Deve ser bom, né?

DEIXE SUA OPINIÃO OU COMENTÁRIO
Nome:
Texto:
Email:
Coluna:
Vídeos
 HUMOR
10 coisas que você não deve fazer num velório!
HOME  |   TURMA DO EPA  |   PANORAMA  |   VÍDEOS  |   LEITURA  |   EPARRÊ  |   EPA DOS LEITORES
BROADCAST  |   QUEM SOMOS  |   DIREITO DE RESPOSTA  |   ANÚNCIOS  |   CANAL RSS  |   CONTATO
Copyright © 2011 - Turma do Epa. Todos os direitos reservados