Cuiabá (MT), segunda, 16 de julho de 2018
Leitura

Sábado, 25 de abril de 2015, 20h29
Chapeu_leitura artigo

Fatos relevantes

Juacy da Silva


No  desenvolvimento dos  estudos de futuro, para que os  cenários sejam ao mesmo tempo um  referencial para o planejamento politico  e  estratégico e  também um instrumento de acompanhamento da realidade, a  definição  e  estabelecimento dos “fatos  relevantes” ou fatos portadores de futuro, é  de fundamental   importância para  um projeto nacional.

Neste  aspecto, são  importantes  tanto a dinâmica  interna quanto  os acontecimentos mundiais e as repercussões dos mesmos nas  relações  internas. Este  é  um exercício que exige dos governantes  uma  visão  de  estadista, jamais o aprisionamento em questões de menor importância e nem a miopia da visão ideológica, que tanto prejudica as ações do governo quanto do empresariado  e da sociedade como um todo.

Esta é a diferença entre a dinâmica política institucional dos países do primeiro mundo e dos subdesenvolvidos e também dos emergentes. Todo e qualquer país que aspire por uma postura de independência, liderança regional ou atingir o nível de uma potência  emergente  ou potência mundial precisa ter um projeto nacional e seus governantes necessitam ter a habilidade e a  capacidade de construir um modelo de desenvolvimento de médio  e longo  prazos, ou seja,  desenhar os caminhos a seguir pelos próximos dez ou vinte anos, independente de que partido ou aliança  esteja no poder. Sem isto, o país  consegue  realizar apenas  os “voos  de galinha’  como dizem os analistas políticos e geopolíticos, jamais  uma  visão  de longo alcance.

O acompanhamento dos acontecimentos mundiais, seus desdobramentos, a organização de blocos econômicos ou de alianças políticas  e militares definem os grandes rumos no cenário internacional, cabendo a  cada país  defender  seus  interesses nacionais, jamais subordinando-os  ao crivo do partido ou aliança no poder, caso em que a mediocridade pode reduzir o peso politico e  estratégico nacional  no contexto internacional.

Governantes que confundem interesses nacionais com interesses de grupos  econômicos  ou políticos podem perder o bonde da história  e colocar seus países  de joelho perante as  grandes potências,  contribuindo assim para o agravamento da crise interna.  Parece que na  presente conjuntura Brasil, Argentina e  Venezuela são  exemplos típicos , na América  Latina, deste tipo de governos populistas, incompetentes, medíocres e corruptos e que estão jogando por terra o futuro de seus  países.

No contexto internacional alguns fatos relevantes  podem ser identificados  no  agravamento do conflito no oriente médio; o  avanço das negaciações para a criação do mega-bloco  econômico e politico-militar transatlântico,  entre União Européia e Estados Unidos, e, complementarmente pelo Canadá  e México, que   juntamente com os EUA, fazem parte do NAFTA; o reatamento das relações diplomáticas entre EUA e Cuba, com desdobramentos para as  áreas  econômica e política;  o lancamento da candidatura de  Hillary  Clinton como postulante `a  Casa Branca pelo Partido Democrata;  o acordo do  G7,  liderados pelos  EUA  com o Iran, em relação ao programa nuclear daquele país; o fortalecimento dos pactos  de defesa  entre  EUA  e países asiáticos  para neutralizer o avanço militar  da China  e, finalmente, o empenho dos EUA  para  fortalecer a OEA  como entidade representativa  dos países do continente Americano, enfraquecendo  sobremaneira a UNASUL  e  seu  projeto bolivariano, onde o Brasil adereiu de forma equivocada.
No Plano interno, podemos destacar  como fatos  relevantes  o aprofundamento das investigações da Operação Lava-Jato, incluindo esta 12a.  fase, com a prisão de Vacari, tesoureiro do PT    o que pode aprofundar ainda mais a crise política em que a Presidennte  Dilma e seu  partido  e aliados estão engolfados; o aprofundamento da crise econômica e a insegurança e indignacão que  este fato poderá  ter sobre a população ameaçada pela inflação, pela  deterioração da qualidade  dos serviços públicos, aumento acelerado do endividamento  das familias, o temor do desemprego  que está  crescendo a olhos vistos; a perda  da capacidade de articulação política e de governar  da Presidente, que aos poucos se  torna prisioneira do seu partido  e de seu grande aliado, o PMDB; dos equivocos  dos pacotes econômicos de seu novo ministro da fazenda; o aumento do poder de articulação, em  oposição ao Palácio do  Planalto,  por parte dos presidentes da Câmara Federal e do Senado. 

A continuar  neste rítimo dentro embreve Dilma  será  igual a Rainha da Inglaterra, que tem a pompa  do cargo mas não governa  nada. Estamos vivendo quase  um regime parlamentarista  de fato, enquanto a reforma política não o institui na prática.  O Poder do vice-Presidnte, que é do mesmo partido que os presidentes da Câmara e do Senado, projeta  um cenário complicado  para Dilma, o PT e o sonho de Lula retornar em 2018.

Outro  fator  relevante  são  as manifestações  populares que  estão  tomando conta  das ruas e praças  do país  inteiro, onde o povo expressa  tanto o FORA CORRUPTOS, quanto o FORA DILMA  e FORA PT, caso  este descontentamento seja ampliado  e fortalecido pelo  aprofundamento da crise econômica, tanto o  Impeachment quanto uma possível renúncia de Dilma  serão fatos  relevantes  dentro  de pouco tempo. Vamos  acompanhar e ver o que vai acontecer nos próximos meses.

Juacy da Silva

Professor universitário, titular e aposentado UFMT, mestre em sociologia. Blog www.professorjuacy.blogspot.com Email professor.juacy@yahoo.com.br Twitter@profjuacy


 leia também

Eluise Dorileo
Domingo, 17 de dezembro de 2017
É tempo de gratidão
Estamos perto do Natal. Esse é um momento de gratidão por todo o ano que passou.
Wilson Alves da Silva
Quinta, 16 de novembro de 2017
O transporte alternativo pede socorro
O serviço de táxi-lotação, micro-ônibus foi instituído em Cuiabá pela Lei Municipal 2.758/1990 e começou a operar nas linhas de Cuiabá na gestão do ex-prefeito Frederico Campos.
Benedito Figueiredo Junior
Domingo, 14 de maio de 2017
Cirurgia plástica pós-gravidez
A Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica aconselha de 6 meses a um ano para se pensar em realizá-las

+ ver todas os artigos
Eparre

 Campanha confusa


Há uma imensa articulação para o Caixa 2 conduzida pelos candidatos nas eleições proporcionais. Como a lição não parece ter sido aprendida e há muita gente precisando do mandato para se manter em liberdade tudo indica que não se verá grandes modificações na composição do Parlamento, tanto federal quanto estadual.

 Majoritária indefinida


Mauro Mendes protagoniza o suspense. Não diz que sim, nem que não. Muita gente gostaria que o quadro para candidatos a governador estivesse definido. Por enquanto continua apenas no nível de desejo. A Copa do Mundo não parece ter despertado tanto entusiasmo.

 Frio na fria


Os candidatos, em decorrência das competições, raciocinam com eleições anteriores, devidamente esquecidos de que o país vive um momento atípico e caminhando para uma encruzilhada. Até onde vai o aprofundamento do golpe ante a deterioração econômica que se vive? Ou seja, é uma "fria" no frio que parece ter dado uma trégua mas deve retornar.

 A escolha do candidato


O eleitorado está mais exigente em relação às candidaturas e hoje privilegia a "honestidade" em detrimento da "experiência". Isso significa que trajetória política anterior pode, inclusive, colocar em risco a biografia do candidato. Políticos profissionais caminham para a rejeição, mas, como detêm a máquina partidária na mão vão fintar tudo e todos para chegarem lá.

 Legalidade formal


A atipicidade do momento eleitoral em que a principal liderança política do país, Lula, continua na prisão transtorna o ambiente de pesquisas eleitorais. O PT continua com um grande "ativo político" que deve ganhar mais relevância ainda se mantido preso. Será a resposta à Justiça que não respondeu às normas e tratou de criar "para situações excepcionais, soluções excepcionais". Ingressamos, portanto, numa moderna ditadura sob o disfarce da legalidade formal.

 Regime de exceção


Só um regime de exceção promoveria o julgamento de Lula em tempo recorde:menos de 18 meses entre a denúncia e a condenação em segunda instância. A mesma pressa não se observa quanto à admissibilidade de recursos às instâncias superiores: Recurso Especial ao Superior Tribunal de Justiça e Recurso Extraordinário ao Supremo Tribunal Federal. E os "togados" não gostam do rótulo de "golpistas". Alguns, de fato, não o são. Mas, apenas alguns.

Eparre

Sexta, 16 de fevereiro de 2018
K.W.
Estranha a edição. Essas agressões na Fecomercio não são gratuitas. Há muita sede de poder. Só pode.

Sexta, 15 de dezembro de 2017
Juvenal
Respondendo ao amigo.
Ficou para depois do carnaval..
Vai Brasillll!!!

Sexta, 08 de dezembro de 2017
Roberto Alves
Alguém acredita que a reforma da previdência sai em 2017?

Terça, 15 de agosto de 2017

Vocês estão todos no grampo. Se não for ilegalmente alguém da Justiça já deve ter determinado grampo em vocês. Ta todo mundo quietinho e aprovando prisão de qualquer jeito e vocês acham que prisão é pro cara ficar no bem bom?

DEIXE SUA OPINIÃO OU COMENTÁRIO
Nome:
Texto:
Email:
Coluna:
Vídeos
 HUMOR
Red Bull te dá asas! E não é que ele levou a sério.
HOME  |   TURMA DO EPA  |   PANORAMA  |   VÍDEOS  |   LEITURA  |   EPARRÊ  |   EPA DOS LEITORES
BROADCAST  |   QUEM SOMOS  |   DIREITO DE RESPOSTA  |   ANÚNCIOS  |   CANAL RSS  |   CONTATO
Copyright © 2011 - Turma do Epa. Todos os direitos reservados