Cuiabá (MT), segunda, 18 de junho de 2018
Leitura

Quinta, 21 de janeiro de 2016, 14h12
Chapeu_leitura artigo

De anjos e demônios

Eduardo Gomes


Gratidão é o sentimento que carrego no peito pela aceitação e os elogios que recebi ao publicar no final de 2015 o modesto livro “Dois dedos de prosa em silêncio”. Gostaria de citar os leitores que compraram exemplares e os que me telefonaram ou mandaram mensagens enaltecendo o texto e a contextualização das 50 crônicas ilustradas por Generino Rocha - o chargista deu um toque de leveza e irreverência visual ao conteúdo. Não o faço por duas razões: a relação não caberia neste espaço e, pior, poderia cometer injustiça omitindo nomes.

A publicação de Dois dedos... foi interessante por se tratar de obra crítica em sua maior parte, o que a faz diferente dos padrões da boa literatura mato-grossense, que não se dedica a apontar erros de figuras de proa no poder e daquelas que gravitam em seu entorno. A narrativa levou muitos rostos nobres a torcerem o nariz e tal reação foi compartilhada pelos adoradores do poder. Em compensação, junto ao povo, arrancou boas gargalhadas com seus trechos hilários e suspiros de indignação com suas denúncias e correções históricas.

Dois dedos... não foi livro pardal. Extrapolou os limites de Cuiabá. Avançou pelo abençoado e ensolarado Mato Grosso. Chegou a muitas cidades e vilas. Atravessou porteiras de fazendas e sítios. Posso muito bem atestar sua capilarização apresentando os recibos de sua postagem nos Correios para endereços em 84 municípios, apesar da pouca cobertura que teve da imprensa.

Publiquei Dois dedos... e um ano antes, o LIVRO 44, ambos sem apoio das leis de incentivo cultural. O elevado custo de produção resultou no preço de capa das obras e me impediu de presentear amigos e conhecidos com minha acanhada produção literária, se me permitem chamar assim os dois livros.

Não sou escritor nem tampouco historiador. Mesmo assim, o volume de informações que acumulei nas décadas que atravessei enfurnado em redações me inspirou a publicar mais um livro, esse sobre a biografia não autorizada do ex-deputado estadual José Riva, que é figura conhecida por todos os adultos mato-grossenses que bebem água.

Espero em breve botar o livro nas bancas e vendê-lo por mala direta, pois a exemplo dos anteriores, sua publicação não leva a generosa melosa chancela do incentivo cultural.

O livro está quase pronto. Diariamente dedico horas sintetizando o texto sem que isso implique em omitir informação, e tendo o cuidado de não ferir pessoas e instituições, mas sem poupá-las por eventuais erros que tenham cometido em suas relações com o personagem. A trajetória de Riva não é o caminhar de um indivíduo. Acho que se trata de um ciclo de intensa institucionalidade informal recheado por figuras que se apresentam angelicais, embora carreguem o tridente amoitado. Aguardem para ler sobre ele com seus anjos e demônios.  


Eduardo Gomes

Jornalista


 leia também

Eluise Dorileo
Domingo, 17 de dezembro de 2017
É tempo de gratidão
Estamos perto do Natal. Esse é um momento de gratidão por todo o ano que passou.
Wilson Alves da Silva
Quinta, 16 de novembro de 2017
O transporte alternativo pede socorro
O serviço de táxi-lotação, micro-ônibus foi instituído em Cuiabá pela Lei Municipal 2.758/1990 e começou a operar nas linhas de Cuiabá na gestão do ex-prefeito Frederico Campos.
Benedito Figueiredo Junior
Domingo, 14 de maio de 2017
Cirurgia plástica pós-gravidez
A Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica aconselha de 6 meses a um ano para se pensar em realizá-las

+ ver todas os artigos
Eparre

 Campanha confusa


Há uma imensa articulação para o Caixa 2 conduzida pelos candidatos nas eleições proporcionais. Como a lição não parece ter sido aprendida e há muita gente precisando do mandato para se manter em liberdade tudo indica que não se verá grandes modificações na composição do Parlamento, tanto federal quanto estadual.

 Majoritária indefinida


Mauro Mendes protagoniza o suspense. Não diz que sim, nem que não. Muita gente gostaria que o quadro para candidatos a governador estivesse definido. Por enquanto continua apenas no nível de desejo. A Copa do Mundo não parece ter despertado tanto entusiasmo.

 Frio na fria


Os candidatos, em decorrência das competições, raciocinam com eleições anteriores, devidamente esquecidos de que o país vive um momento atípico e caminhando para uma encruzilhada. Até onde vai o aprofundamento do golpe ante a deterioração econômica que se vive? Ou seja, é uma "fria" no frio que parece ter dado uma trégua mas deve retornar.

 A escolha do candidato


O eleitorado está mais exigente em relação às candidaturas e hoje privilegia a "honestidade" em detrimento da "experiência". Isso significa que trajetória política anterior pode, inclusive, colocar em risco a biografia do candidato. Políticos profissionais caminham para a rejeição, mas, como detêm a máquina partidária na mão vão fintar tudo e todos para chegarem lá.

 Legalidade formal


A atipicidade do momento eleitoral em que a principal liderança política do país, Lula, continua na prisão transtorna o ambiente de pesquisas eleitorais. O PT continua com um grande "ativo político" que deve ganhar mais relevância ainda se mantido preso. Será a resposta à Justiça que não respondeu às normas e tratou de criar "para situações excepcionais, soluções excepcionais". Ingressamos, portanto, numa moderna ditadura sob o disfarce da legalidade formal.

 Regime de exceção


Só um regime de exceção promoveria o julgamento de Lula em tempo recorde:menos de 18 meses entre a denúncia e a condenação em segunda instância. A mesma pressa não se observa quanto à admissibilidade de recursos às instâncias superiores: Recurso Especial ao Superior Tribunal de Justiça e Recurso Extraordinário ao Supremo Tribunal Federal. E os "togados" não gostam do rótulo de "golpistas". Alguns, de fato, não o são. Mas, apenas alguns.

Eparre

Sexta, 16 de fevereiro de 2018
K.W.
Estranha a edição. Essas agressões na Fecomercio não são gratuitas. Há muita sede de poder. Só pode.

Sexta, 15 de dezembro de 2017
Juvenal
Respondendo ao amigo.
Ficou para depois do carnaval..
Vai Brasillll!!!

Sexta, 08 de dezembro de 2017
Roberto Alves
Alguém acredita que a reforma da previdência sai em 2017?

Terça, 15 de agosto de 2017

Vocês estão todos no grampo. Se não for ilegalmente alguém da Justiça já deve ter determinado grampo em vocês. Ta todo mundo quietinho e aprovando prisão de qualquer jeito e vocês acham que prisão é pro cara ficar no bem bom?

DEIXE SUA OPINIÃO OU COMENTÁRIO
Nome:
Texto:
Email:
Coluna:
Vídeos
 HUMOR
Red Bull te dá asas! E não é que ele levou a sério.
HOME  |   TURMA DO EPA  |   PANORAMA  |   VÍDEOS  |   LEITURA  |   EPARRÊ  |   EPA DOS LEITORES
BROADCAST  |   QUEM SOMOS  |   DIREITO DE RESPOSTA  |   ANÚNCIOS  |   CANAL RSS  |   CONTATO
Copyright © 2011 - Turma do Epa. Todos os direitos reservados