Cuiabá (MT), domingo, 25 de fevereiro de 2018
Leitura

Quarta, 27 de janeiro de 2016, 12h10
Chapeu_leitura artigo

O Brasil e a quarta revolução industrial

Juacy da Silva


Teve início no ultimo dia 20 e vai até dia 23; a reunião anual do Forum Ecônomico Mundial, em Davos, na Suiça,  que deverá contar com a presença de vários chefes  de Estado, Ministros de Finanças, representantes  de organismos internacionais, dirigentes de grandes empresas mundiais e diversos pesquisadores,  totalizando mais de 2.500  pessoas.

O tema central  deste ano  é “A quarta revolução industrial “ e os impactos que a mesma deverá  produzir  na economia e na sociedade nos diversos países pelas próximas décadas.

Este  tema central  está desdobrado em oito  temas mais específicos como:a ) Robotização; b)Terrorismo e a crise das imigrações internacionais; c) Instabilidade dos mercados e as crises econômicas e financeiras;d) mudanças climáticas; e) Crise e a recuperação da Europa; f) Desigualdades mundiais; g) Desafios da medicina, avanço das doenças não comunicáveis ; h) crimes cibernéticos  e  as liberdades civis.

Segundo diversas  organiações e estudiosos, o mundo caminha para uma mudança drástica e rápida dos paradígmas econômicos, sociais e de governança, onde a  era digital e a robotização irão  pruduzir  impactos profundos nos diversos países, afetando de maneira positiva ou negativa, dependendo do estágio de desenvolvimento e de visão de futuro que cada um possa ter, incluindo a definição de uma estratégia de longo prazo que tenha em seu núcleo central  investimentos prioritários em educação e no desenvolvimento da ciência e tecnologia.Quem assim não fizer estará fadado a ficar para tráz.

Neste particular o próprio Forum Econômico Mundial apresenta todos os anos um relatório em que avalia  o grau de competitividade de 140 países, estabelecendo um  “ranking” dos mesmos, tendo com referência alguns parâmetros que indicam a posição desses países em relação a nivel de sofisticação institucional e os marcos macro econômicos e tecnológicos.

É importante também ter em mente que  este relatório do Forum Econômico Mundial tem uma  correlação muito grande com um outro   trabalho que vem sendo realizado  com relatórios anuais pelo Banco Mundial intitulado “Realizando negócios”,   analisando dados de mais de 170 países.

No ranking da competitividade de  2015  e  2016,  do Forum Econômico Mundial,  publicado no final do ano passado, o Brasil caiu 18 posições em relação ao relatório anterior  referente ao ano 2014 e 2015,  saindo da 57a. posição para a 75a posição. Ficou atraz  de 7 países da América Latina como o Chile que ocupa a 35a. posição; Panamá 50a; Costa Rica 52a; México 57a; Colômbia 61a; Peru 69a e Uruguai 73a.

Ficou também abaixo de todos os demais países do BRICs, como China 28a; Rússia 45a; África do Sul 49a e Índia 65a.; bem como de todos os países do G7 e do G20,  e de diversos outros países que competem com o Brasil em termos de espaço no comércio internacional e na dimensão geopolítica como Austrália, Turquia, Irã, Coréia do Sul, Indonésia e outros  com menor peso econômico mas com grande projeção científica e tecnológica.

Quando o ranking da compettividade é desdobrado em seus vários componentes a poisição do Brasil é um vexame,  uma  vergonha, quando comparado ao peso da economia brasileira que é atualmente a oitava economia do mundo a caminho da nona posição, depois de anos de fracasso econômico sob o Governo Dilma em 2014; 2015  e as projeções para 2016 e 2017.

No ranking da competitividade , entre  140 países, nos chamados requisitos básicos o Brasil ocupa a 103a posição; no quesito eficiêcia e funcionamento das instituições 121a; na infraestrutura 74a; no ambiente macroeconômico 117a; na  saúde e ensino fundamental 103a; na  educação superior e qualificação professional 93a; na  eficiência do Mercado 128a; na eficiência do fator trabalho 122a; desenvolvimento do Sistema financeiro 58a e tamanha  do Mercado 7a. posição; excluindo este ultimo requisito o Brasil passaria a ocupar a 97a posição no ranking.

O UBS , um dos maiores bancos da Suiça e do Mundo, em  relatório a ser apresentado em Dvos neste semana, resume a posição do Brasil em seis  requisitos básicos para situar-se no contexto da quarta revolução industrial e tecnológica e os resultados não são nada animadores.  Estrutura e flexibilidade do Mercado de trabalho 122a posição; nas habilidades e preparo da mão-deobra  93a; na educação e inovação 84a; na infra estrutura  e sustentabilidade 78a; no Sistema legal e proteção 126a; nos  impactos gerais provocados pela quarta revolução tecnológica 95a; na média geral nosso país estaria ocupando a 100a posição neste ranking.

Diante  desses resultados o Brasil passa a ser classificado em um degrau abaixo dos demais países emergentes, no nível chamado  fronteira, entre emergentes e demais países bem atrasados. Temos  um grande desafio pela frente antes que os impactos da quarta revolução tecnológica nos coloquem a ver navios.

Juacy da Silva

Professor universitário, titular e aposentado UFMT, mestre em sociologia. Blog www.professorjuacy.blogspot.com Email professor.juacy@yahoo.com.br Twitter@profjuacy


 leia também

Eluise Dorileo
Domingo, 17 de dezembro de 2017
É tempo de gratidão
Estamos perto do Natal. Esse é um momento de gratidão por todo o ano que passou.
Wilson Alves da Silva
Quinta, 16 de novembro de 2017
O transporte alternativo pede socorro
O serviço de táxi-lotação, micro-ônibus foi instituído em Cuiabá pela Lei Municipal 2.758/1990 e começou a operar nas linhas de Cuiabá na gestão do ex-prefeito Frederico Campos.
Benedito Figueiredo Junior
Domingo, 14 de maio de 2017
Cirurgia plástica pós-gravidez
A Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica aconselha de 6 meses a um ano para se pensar em realizá-las

+ ver todas os artigos
Eparre

 Operação Bereré assusta


Empresários estão apreensivos com o andamento da "Operação Bereré" que apura desvios no Detran/MT. A EIG Mercados, executora de contrato para inserir ou retirar gravames e outros serviços informatizados, é acusada de repassar boa parte de sua receita com os serviços concedidos para agentes políticos e servidores públicos. Como há "graúdos" envolvidos o clima é de muita preocupação.

 Auto peças Virtual recebia "real"


Uma Loja de Auto Peças "virtual" faturou quase R$ 1,5 milhão de reais apenas em dezembro de 2016. Em outras palavras, o "esquema" iniciado na gestão Silval quase ultrapassa o mandato do atual governador.

 De carona


Júlio Campos pretende se candidatar a deputado federal já que Jaime pretende continuar apoiando Gilmar Fabris (DEM) que aportou emendas de R$ 5 milhões para Várzea Grande e já era compromisso político firmado. Júlio, ao disputar cargo para a Câmara dos Deputados Federais, poderá "surfar" até numa eventual candidatura de Jaime ao Senado.

 Na prática a teoria é outra


Bem verdade que as disputas proporcionais são uma briga de foice no escuro. Qualquer favoritismo de Jaime em relação ao irmão, numa disputa majoritária, pode trazer prejuízos à sua própria campanha. É outro lado da questão.

 Fundo de Estabilização Fiscal


O FEF tem mais cara de suicídio político e, dificilmente, será aprovado na Assembleia Legislativa em ano de disputas eleitorais com esse pano de fundo quase trágico que atinge a classe política. Que ninguém espere uma marcha ao cadafalso de qualquer deputado minimamente sensível nesse período pré-campanha. Alias, o "Conselho Político" do governador - se é que existe - deve ser composto por alguém que nunca disputou eleição.

 Mau pagador - "Involução"


O Governo do Estado até algum tempo atrás tinha a aura de "bom pagador". A verdade é que se não dispõe de recursos para contratar e pagar, melhor não fazer os contratos. Gera expectativas que não se realizam e transfere o ônus dos atrasos de pagamento para o empresariado que, de forma geral, sofre com o crédito curto na praça. Ou alguém imagina que o déficit ocorra no setor de pessoal do Estado?

 Folha terrível


O Estado vive em função do pagamento de salários. Todo mês é um "suspense". Os repasses federais parecem sumir pelo "ralo" mal chegam à Conta Única do Estado. Trata-se de um conflito permanente.

 "Seca-poço"


O dinheiro do Estado parece o velho e manjado cobertor "seca-poço". Se cobre a cabeça os pés ficam de fora; se cobre os pés é a vez da cabeça ficar ao sabor do tempo.
O jeito, mesmo, é se encolher.

Eparre

Sexta, 16 de fevereiro de 2018
K.W.
Estranha a edição. Essas agressões na Fecomercio não são gratuitas. Há muita sede de poder. Só pode.

Sexta, 15 de dezembro de 2017
Juvenal
Respondendo ao amigo.
Ficou para depois do carnaval..
Vai Brasillll!!!

Sexta, 08 de dezembro de 2017
Roberto Alves
Alguém acredita que a reforma da previdência sai em 2017?

Terça, 15 de agosto de 2017

Vocês estão todos no grampo. Se não for ilegalmente alguém da Justiça já deve ter determinado grampo em vocês. Ta todo mundo quietinho e aprovando prisão de qualquer jeito e vocês acham que prisão é pro cara ficar no bem bom?

DEIXE SUA OPINIÃO OU COMENTÁRIO
Nome:
Texto:
Email:
Coluna:
Vídeos
 HUMOR
Bulldog inglês tirando a maior onda de surfista com o resto da cachorrada
HOME  |   TURMA DO EPA  |   PANORAMA  |   VÍDEOS  |   LEITURA  |   EPARRÊ  |   EPA DOS LEITORES
BROADCAST  |   QUEM SOMOS  |   DIREITO DE RESPOSTA  |   ANÚNCIOS  |   CANAL RSS  |   CONTATO
Copyright © 2011 - Turma do Epa. Todos os direitos reservados