Cuiabá (MT), segunda, 20 de agosto de 2018
Leitura

Sábado, 12 de março de 2016, 11h49
Chapeu_leitura artigo

Prótese de silicone: por cima ou por baixo do músculo?

Benedito Figueiredo Junior


O implante de prótese mamaria tem como objetivo aumentar o volume das mamas e  é realizada há mais de 40 anos com técnica confiável, resultados excelentes, imediatos e duradouros. Não interfere na sensibilidade, não provoca nenhum tipo de doenças, nem interfere numa futura gravidez ou amamentação.

Ao se decidir colocar uma prótese de silicone nos seios muitas são as dúvidas das pacientes.  Formato da prótese, incisão e se será por cima ou por baixo do músculo.

As próteses podem ser colocadas por uma incisão ao redor das aréolas, embaixo das mamas ou pelas axilas, em geral pelas axilas é evitado por questões de saúde podendo prejudicar o diagnóstico de câncer de mama em alguns casos. Na questão do corte pela aréola há o agravante da cicatriz ficar sempre visível e caso a cicatrização não ser tão perfeita como a paciente espera, principalmente em quem possui problema de cicatrização como quelóide, ser de difícil disfarce. Então esteticamente hoje a mais utilizada é um corte embaixo da mama ( Sulco Mamário).

Agora vamos falar de onde o implante de silicone será alojado, em cima ou embaixo dos músculos mamários.

O que vai determinar o melhor método de alojamento é a estrutura da mama.  E cada mulher tem um organismo diferente. As características físicas de cada pessoa é que definem à posição do implante. Depende da espessura da pele e o tamanho do tórax e das mamas. O histórico familiar de câncer de mama também pesa na decisão, pois é possível que a paciente tenha que remover suas glândulas mamárias se desenvolver essa doença.

Temos hoje os planos de implantação submuscular, subglandular, subfascial e duplo espaço.

Pode-se optar por implantar  no plano submuscular, isso é, colocar a prótese entre os músculos torácicos e contra a parede do tórax.  A vantagem é que  os seios ficam com uma aparência mais natural em pacientes muito magras, e como desvantagem limitam a movimentação natural da mama. Indicado para mulheres magras.

Outro método é a implantação subglandular, isto é, ter as próteses logo abaixo das glândulas mamárias. Neste caso, as próteses ficam mais evidentes, deixando o colo com uma projeção saliente, mantendo a mobilidade natural da mama.

No caso de uma opção intermediária é feito a implantação no plano subfascial. Este método as próteses são colocadas  em cima dos músculos mamários, mas sob a camada facial e as glândulas.

E por último a duplo espaço onde a prótese é colocada no seu pólo superior atrás da glândula e no pólo inferior do músculo.

Independente dos métodos diferentes, seja qual for a técnica adotada, a anestesia utilizada varia desde a local com sedação até a geral, decisão esta tomada pelo médico anestesiologista e a cirurgia dura em torno de uma hora. Os cuidados pós-operatórios são os mesmos, mas a duração da recuperação da cirurgia submuscular pode ser um pouco mais longa que as demais. Deve-se evitar suspender os braços acima da cabeça, exercícios físicos que envolvam tórax e braços só após 30 dias assim como dirigir.

Em geral é feita prevenção de infecção com antibióticos por 10 dias.

Importante que seja avaliado pelo cirurgião plástico que possui registro no Conselho Federal de Medicina (CFM) e tenha Registro de Qualificação de Especialização(RQE) e faça parte da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP).


Benedito Figueiredo Junior

Benedito Figueiredo Junior é cirurgião plástico na Angiodermoplast. CRM 4385 e RQE 1266.


 leia também

Eluise Dorileo
Domingo, 17 de dezembro de 2017
É tempo de gratidão
Estamos perto do Natal. Esse é um momento de gratidão por todo o ano que passou.
Wilson Alves da Silva
Quinta, 16 de novembro de 2017
O transporte alternativo pede socorro
O serviço de táxi-lotação, micro-ônibus foi instituído em Cuiabá pela Lei Municipal 2.758/1990 e começou a operar nas linhas de Cuiabá na gestão do ex-prefeito Frederico Campos.
Benedito Figueiredo Junior
Domingo, 14 de maio de 2017
Cirurgia plástica pós-gravidez
A Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica aconselha de 6 meses a um ano para se pensar em realizá-las

+ ver todas os artigos
Eparre

 Campanha confusa


Há uma imensa articulação para o Caixa 2 conduzida pelos candidatos nas eleições proporcionais. Como a lição não parece ter sido aprendida e há muita gente precisando do mandato para se manter em liberdade tudo indica que não se verá grandes modificações na composição do Parlamento, tanto federal quanto estadual.

 Majoritária indefinida


Mauro Mendes protagoniza o suspense. Não diz que sim, nem que não. Muita gente gostaria que o quadro para candidatos a governador estivesse definido. Por enquanto continua apenas no nível de desejo. A Copa do Mundo não parece ter despertado tanto entusiasmo.

 Frio na fria


Os candidatos, em decorrência das competições, raciocinam com eleições anteriores, devidamente esquecidos de que o país vive um momento atípico e caminhando para uma encruzilhada. Até onde vai o aprofundamento do golpe ante a deterioração econômica que se vive? Ou seja, é uma "fria" no frio que parece ter dado uma trégua mas deve retornar.

 A escolha do candidato


O eleitorado está mais exigente em relação às candidaturas e hoje privilegia a "honestidade" em detrimento da "experiência". Isso significa que trajetória política anterior pode, inclusive, colocar em risco a biografia do candidato. Políticos profissionais caminham para a rejeição, mas, como detêm a máquina partidária na mão vão fintar tudo e todos para chegarem lá.

 Legalidade formal


A atipicidade do momento eleitoral em que a principal liderança política do país, Lula, continua na prisão transtorna o ambiente de pesquisas eleitorais. O PT continua com um grande "ativo político" que deve ganhar mais relevância ainda se mantido preso. Será a resposta à Justiça que não respondeu às normas e tratou de criar "para situações excepcionais, soluções excepcionais". Ingressamos, portanto, numa moderna ditadura sob o disfarce da legalidade formal.

 Regime de exceção


Só um regime de exceção promoveria o julgamento de Lula em tempo recorde:menos de 18 meses entre a denúncia e a condenação em segunda instância. A mesma pressa não se observa quanto à admissibilidade de recursos às instâncias superiores: Recurso Especial ao Superior Tribunal de Justiça e Recurso Extraordinário ao Supremo Tribunal Federal. E os "togados" não gostam do rótulo de "golpistas". Alguns, de fato, não o são. Mas, apenas alguns.

Eparre

Sexta, 16 de fevereiro de 2018
K.W.
Estranha a edição. Essas agressões na Fecomercio não são gratuitas. Há muita sede de poder. Só pode.

Sexta, 15 de dezembro de 2017
Juvenal
Respondendo ao amigo.
Ficou para depois do carnaval..
Vai Brasillll!!!

Sexta, 08 de dezembro de 2017
Roberto Alves
Alguém acredita que a reforma da previdência sai em 2017?

Terça, 15 de agosto de 2017

Vocês estão todos no grampo. Se não for ilegalmente alguém da Justiça já deve ter determinado grampo em vocês. Ta todo mundo quietinho e aprovando prisão de qualquer jeito e vocês acham que prisão é pro cara ficar no bem bom?

DEIXE SUA OPINIÃO OU COMENTÁRIO
Nome:
Texto:
Email:
Coluna:
Vídeos
 HUMOR
Red Bull te dá asas! E não é que ele levou a sério.
HOME  |   TURMA DO EPA  |   PANORAMA  |   VÍDEOS  |   LEITURA  |   EPARRÊ  |   EPA DOS LEITORES
BROADCAST  |   QUEM SOMOS  |   DIREITO DE RESPOSTA  |   ANÚNCIOS  |   CANAL RSS  |   CONTATO
Copyright © 2011 - Turma do Epa. Todos os direitos reservados