Cuiabá (MT), terça, 19 de junho de 2018
Leitura

Domingo, 03 de julho de 2016, 22h33
Chapeu_leitura artigo

Herança maldita

José Medeiros


A equipe econômica do presidente em exercício Michel Temer já anunciou que o rombo das contas públicas para o ano de 2017 ficará acima de R$ 100 bilhões. Os técnicos do Ministério da Fazenda também fazem um alerta de que, em 2018, não são descartados um novo resultado negativo.

Se o cenário apresentado para as contas públicas é de deterioração, é também desolador a taxa de desemprego no País, que, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), para o mês de maio, subiu para 11,2%, chegando à marca recorde de 11,4 bilhões de pessoas desocupadas. Uma alta de 40,3% em relação ao mês de maio do ano passado.

Os dois pontos acima apresentados são frutos dos erros cometidos pela presidente afastada Dilma Rousseff. Mas, tudo o que a política e a economia brasileira tem passado é legado de uma verdadeira herança maldita deixada pelos 13 anos da gestão do Partido dos Trabalhadores.

Todos nós, brasileiros, estamos sentido na pele os efeitos do (des)governo petista que deixou herança de corrupção generalizada, sistematizada, em todas as instâncias do governo. Rombos que praticamente destruíram as duas maiores empresas estatais brasileiras, Petrobras e Eletrobras. Sem contar o rombo que a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil apresentam.

Herança da falta de gestão, que dizimou o que restava da capacidade administrativa do governo federal, nos deixando programas ineficientes e dispendiosas obras superfaturadas, mal planejadas e inacabadas.

Um dos exemplos dessa herança é a situação do Postalis, o fundo de pensão dos servidores dos Correios, que quebrou sob a administração da “companheirada”. Agora estão sendo feitos novos descontos previdenciários diretamente nos salários dos servidores, que estão sendo obrigados a contribuir duas vezes para uma só aposentadoria futura. Injusto, lamentável e criminoso!

Temos, ainda, a herança da ideologia petista, que levou o País a tomar decisões equivocadas na relação com o resto do mundo, beneficiando ditaduras explícitas ou disfarçadas, na África e nas Américas, irrigadas com dinheiro do povo brasileiro, via BNDES. Como esquecer o Porto de Mariel, em Cuba, totalmente financiado com dinheiro brasileiro? Só a Odebrecht recebeu mais de um bilhão por essa obra. Um bilhão! E tudo isso sob a proteção da ditadura cubana, onde os órgãos de fiscalização brasileiros não têm jurisdição para atuar.

Mas, ainda no campo das relações internacionais, a ideologia petista não trouxe apenas prejuízos financeiros. Sob o comando do PT, o governo brasileiro apoiou regimes bolivarianos, como a ditadura disfarçada venezuelana, que afronta, tanto direitos políticos, quanto direitos humanos.

É bom parar por aqui. Crimes, desmandos, erros não faltam. Mas, enfim, é preciso ficar claro que a administração petista, em particular, o (des)governo da presidente afastada, resultou em um profundo retrocesso que nos custará anos para superar.

Um cenário de terra arrasada que o governo interino de Michel Temer se esforça para reverter, a começar pela sábia escolha da nova equipe econômica e pela volta da sensatez administrativa e do rigor no trato com as contas públicas.

Nesse sentido, voltando ao ponto inicial dessa reflexão, para 2019, as projeções são as de que haverá uma virada positiva nas contas públicas, diminuindo substancialmente o rombo, usando a simples fórmula: gastar de acordo com que o se arrecada. Sobre o desemprego, os especialistas acreditam que, a economia entrando nos eixos, é possível que ainda esse ano as taxas comecem a desacelerar.

Portanto, a nova equipe econômica mostra que age com competência. A nossa economia volta a ganhar ritmo e, com certeza, o Brasil sairá da crise. O brasileiro volta a ter esperança!


José Medeiros

Professor, Policial Rodoviário Federal e Senador da República pelo Estado de Mato Grosso


 leia também

Eluise Dorileo
Domingo, 17 de dezembro de 2017
É tempo de gratidão
Estamos perto do Natal. Esse é um momento de gratidão por todo o ano que passou.
Wilson Alves da Silva
Quinta, 16 de novembro de 2017
O transporte alternativo pede socorro
O serviço de táxi-lotação, micro-ônibus foi instituído em Cuiabá pela Lei Municipal 2.758/1990 e começou a operar nas linhas de Cuiabá na gestão do ex-prefeito Frederico Campos.
Benedito Figueiredo Junior
Domingo, 14 de maio de 2017
Cirurgia plástica pós-gravidez
A Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica aconselha de 6 meses a um ano para se pensar em realizá-las

+ ver todas os artigos
Eparre

 Campanha confusa


Há uma imensa articulação para o Caixa 2 conduzida pelos candidatos nas eleições proporcionais. Como a lição não parece ter sido aprendida e há muita gente precisando do mandato para se manter em liberdade tudo indica que não se verá grandes modificações na composição do Parlamento, tanto federal quanto estadual.

 Majoritária indefinida


Mauro Mendes protagoniza o suspense. Não diz que sim, nem que não. Muita gente gostaria que o quadro para candidatos a governador estivesse definido. Por enquanto continua apenas no nível de desejo. A Copa do Mundo não parece ter despertado tanto entusiasmo.

 Frio na fria


Os candidatos, em decorrência das competições, raciocinam com eleições anteriores, devidamente esquecidos de que o país vive um momento atípico e caminhando para uma encruzilhada. Até onde vai o aprofundamento do golpe ante a deterioração econômica que se vive? Ou seja, é uma "fria" no frio que parece ter dado uma trégua mas deve retornar.

 A escolha do candidato


O eleitorado está mais exigente em relação às candidaturas e hoje privilegia a "honestidade" em detrimento da "experiência". Isso significa que trajetória política anterior pode, inclusive, colocar em risco a biografia do candidato. Políticos profissionais caminham para a rejeição, mas, como detêm a máquina partidária na mão vão fintar tudo e todos para chegarem lá.

 Legalidade formal


A atipicidade do momento eleitoral em que a principal liderança política do país, Lula, continua na prisão transtorna o ambiente de pesquisas eleitorais. O PT continua com um grande "ativo político" que deve ganhar mais relevância ainda se mantido preso. Será a resposta à Justiça que não respondeu às normas e tratou de criar "para situações excepcionais, soluções excepcionais". Ingressamos, portanto, numa moderna ditadura sob o disfarce da legalidade formal.

 Regime de exceção


Só um regime de exceção promoveria o julgamento de Lula em tempo recorde:menos de 18 meses entre a denúncia e a condenação em segunda instância. A mesma pressa não se observa quanto à admissibilidade de recursos às instâncias superiores: Recurso Especial ao Superior Tribunal de Justiça e Recurso Extraordinário ao Supremo Tribunal Federal. E os "togados" não gostam do rótulo de "golpistas". Alguns, de fato, não o são. Mas, apenas alguns.

Eparre

Sexta, 16 de fevereiro de 2018
K.W.
Estranha a edição. Essas agressões na Fecomercio não são gratuitas. Há muita sede de poder. Só pode.

Sexta, 15 de dezembro de 2017
Juvenal
Respondendo ao amigo.
Ficou para depois do carnaval..
Vai Brasillll!!!

Sexta, 08 de dezembro de 2017
Roberto Alves
Alguém acredita que a reforma da previdência sai em 2017?

Terça, 15 de agosto de 2017

Vocês estão todos no grampo. Se não for ilegalmente alguém da Justiça já deve ter determinado grampo em vocês. Ta todo mundo quietinho e aprovando prisão de qualquer jeito e vocês acham que prisão é pro cara ficar no bem bom?

DEIXE SUA OPINIÃO OU COMENTÁRIO
Nome:
Texto:
Email:
Coluna:
Vídeos
 HUMOR
Red Bull te dá asas! E não é que ele levou a sério.
HOME  |   TURMA DO EPA  |   PANORAMA  |   VÍDEOS  |   LEITURA  |   EPARRÊ  |   EPA DOS LEITORES
BROADCAST  |   QUEM SOMOS  |   DIREITO DE RESPOSTA  |   ANÚNCIOS  |   CANAL RSS  |   CONTATO
Copyright © 2011 - Turma do Epa. Todos os direitos reservados