Cuiabá (MT), terça, 23 de outubro de 2018
Leitura

Domingo, 03 de julho de 2016, 22h33
Chapeu_leitura artigo

Herança maldita

José Medeiros


A equipe econômica do presidente em exercício Michel Temer já anunciou que o rombo das contas públicas para o ano de 2017 ficará acima de R$ 100 bilhões. Os técnicos do Ministério da Fazenda também fazem um alerta de que, em 2018, não são descartados um novo resultado negativo.

Se o cenário apresentado para as contas públicas é de deterioração, é também desolador a taxa de desemprego no País, que, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), para o mês de maio, subiu para 11,2%, chegando à marca recorde de 11,4 bilhões de pessoas desocupadas. Uma alta de 40,3% em relação ao mês de maio do ano passado.

Os dois pontos acima apresentados são frutos dos erros cometidos pela presidente afastada Dilma Rousseff. Mas, tudo o que a política e a economia brasileira tem passado é legado de uma verdadeira herança maldita deixada pelos 13 anos da gestão do Partido dos Trabalhadores.

Todos nós, brasileiros, estamos sentido na pele os efeitos do (des)governo petista que deixou herança de corrupção generalizada, sistematizada, em todas as instâncias do governo. Rombos que praticamente destruíram as duas maiores empresas estatais brasileiras, Petrobras e Eletrobras. Sem contar o rombo que a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil apresentam.

Herança da falta de gestão, que dizimou o que restava da capacidade administrativa do governo federal, nos deixando programas ineficientes e dispendiosas obras superfaturadas, mal planejadas e inacabadas.

Um dos exemplos dessa herança é a situação do Postalis, o fundo de pensão dos servidores dos Correios, que quebrou sob a administração da “companheirada”. Agora estão sendo feitos novos descontos previdenciários diretamente nos salários dos servidores, que estão sendo obrigados a contribuir duas vezes para uma só aposentadoria futura. Injusto, lamentável e criminoso!

Temos, ainda, a herança da ideologia petista, que levou o País a tomar decisões equivocadas na relação com o resto do mundo, beneficiando ditaduras explícitas ou disfarçadas, na África e nas Américas, irrigadas com dinheiro do povo brasileiro, via BNDES. Como esquecer o Porto de Mariel, em Cuba, totalmente financiado com dinheiro brasileiro? Só a Odebrecht recebeu mais de um bilhão por essa obra. Um bilhão! E tudo isso sob a proteção da ditadura cubana, onde os órgãos de fiscalização brasileiros não têm jurisdição para atuar.

Mas, ainda no campo das relações internacionais, a ideologia petista não trouxe apenas prejuízos financeiros. Sob o comando do PT, o governo brasileiro apoiou regimes bolivarianos, como a ditadura disfarçada venezuelana, que afronta, tanto direitos políticos, quanto direitos humanos.

É bom parar por aqui. Crimes, desmandos, erros não faltam. Mas, enfim, é preciso ficar claro que a administração petista, em particular, o (des)governo da presidente afastada, resultou em um profundo retrocesso que nos custará anos para superar.

Um cenário de terra arrasada que o governo interino de Michel Temer se esforça para reverter, a começar pela sábia escolha da nova equipe econômica e pela volta da sensatez administrativa e do rigor no trato com as contas públicas.

Nesse sentido, voltando ao ponto inicial dessa reflexão, para 2019, as projeções são as de que haverá uma virada positiva nas contas públicas, diminuindo substancialmente o rombo, usando a simples fórmula: gastar de acordo com que o se arrecada. Sobre o desemprego, os especialistas acreditam que, a economia entrando nos eixos, é possível que ainda esse ano as taxas comecem a desacelerar.

Portanto, a nova equipe econômica mostra que age com competência. A nossa economia volta a ganhar ritmo e, com certeza, o Brasil sairá da crise. O brasileiro volta a ter esperança!


José Medeiros

Professor, Policial Rodoviário Federal e Senador da República pelo Estado de Mato Grosso


 leia também

Eluise Dorileo
Domingo, 17 de dezembro de 2017
É tempo de gratidão
Estamos perto do Natal. Esse é um momento de gratidão por todo o ano que passou.
Wilson Alves da Silva
Quinta, 16 de novembro de 2017
O transporte alternativo pede socorro
O serviço de táxi-lotação, micro-ônibus foi instituído em Cuiabá pela Lei Municipal 2.758/1990 e começou a operar nas linhas de Cuiabá na gestão do ex-prefeito Frederico Campos.
Benedito Figueiredo Junior
Domingo, 14 de maio de 2017
Cirurgia plástica pós-gravidez
A Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica aconselha de 6 meses a um ano para se pensar em realizá-las

+ ver todas os artigos
Eparre

 Relax


As equipes de campanha vencedoras entraram em momento de "relax". Depois do sufoco da apuração vem, de fato, esse momento de calmaria.

 Até o pagamento


E esse momento de calmaria costuma durar até o próximo pagamento. Pelo número de cobranças judiciais em andamento, o marketing político se tornou muito arriscado embora haja outras formas de compensação pelos serviços prestados e não constantes, obrigatoriamente, de prestação de contas de campanha.

 Como as bruxas


"Jo no lo creo en las brujas, pero las hay, las hay". Ainda há muitas "bruxas" à solta nesse período pos-eleitoral. Ninguém sabe até onde as vassouras vão conduzi-las.

Eparre

Terça, 25 de setembro de 2018
Jurandir
Tá difícil escolher um candidato a governador. Tirante os desconhecidos, só safados.

Segunda, 24 de setembro de 2018
Luiz Roberto
Acho que o pau vai torar no segundo turno. O MM se não ganhar no primeiro não leva depois. Pode anotar. Quanto ao Corecon é mais uma das brigas como as do CRECI, CREA, CRA, CRM...Se é prestação gratuita de serviços é de estranhar tamanha generosidade. Algum benefício tem. Mesmo indireto, mas tem. Prestígio, por exemplo. Vale mais que dinheiro.

Segunda, 24 de setembro de 2018
Manoel Fernandes
Acho que o Corecon ganhou mais organização e seriedade. Sempre há uma ovelha manca em todo rebanho, mas, essa se machucou sozinha.

Domingo, 23 de setembro de 2018
Edvaldo
Entra conselho e sai conselho, Sindicados e Conselhos Regionais continuam na mesma. Um grupo que entra não quer sair e o que sai sempre quer voltar. Deve ser bom, né?

DEIXE SUA OPINIÃO OU COMENTÁRIO
Nome:
Texto:
Email:
Coluna:
Vídeos
 HUMOR
10 coisas que você não deve fazer num velório!
HOME  |   TURMA DO EPA  |   PANORAMA  |   VÍDEOS  |   LEITURA  |   EPARRÊ  |   EPA DOS LEITORES
BROADCAST  |   QUEM SOMOS  |   DIREITO DE RESPOSTA  |   ANÚNCIOS  |   CANAL RSS  |   CONTATO
Copyright © 2011 - Turma do Epa. Todos os direitos reservados