Cuiabá (MT), terça, 23 de maio de 2017
Leitura

Segunda, 17 de abril de 2017, 10h42
Chapeu_leitura artigo

Entidades buscam solução jurídica e política para contornar cobrança do Funrural

Marcos da Rosa


As principais entidades representativas do setor agropecuário nacional estão tomando todas as medidas cabíveis junto aos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário para reverter a cobrança retroativa do Funrural, que tributará o produtor pessoa física em 2,1% incidente sobre a sua comercialização, causando enormes prejuízos aos produtores de Mato Grosso e de outras regiões.

Diversas ações nos âmbitos político e jurídico foram definidas durante reunião promovida pela Aprosoja Brasil, em Brasília, na última semana, da qual participaram o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (Famato), Normando Corral, o presidente da Abrapa, Arlindo Moura, e representantes da Associação Brasileira dos Produtores de Grãos (Abrasgrãos), da Sociedade Rural Brasileira (SRB) e de sindicatos rurais.

A discussão sobre a necessidade de suspensão da cobrança do Funrural mobilizou também representantes da Aprosoja nos estados do Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Piauí, Tocantins e Pará, além dos deputados Nilson Leitão (PSDB-MT) e Tereza Cristina (PSB-MS), respectivamente presidente e vice da Frente Parlamentar da Agropecuária, e o deputado Luis Carlos Heinze (PP-RS).

Desde o dia 30 de março, quando foi anunciado pelo Supremo o resultado do Recurso Extraordinário (RE 718874), o conselho jurídico do Instituto Pensar Agropecuária (IPA) e os membros da FPA têm buscado sensibilizar magistrados, governo e congressistas sobre os efeitos nocivos da cobrança em toda a cadeia produtiva e para as contas públicas.

Além de reduzir a renda do produtor, a nova tributação deve colocar milhares de agricultores na Dívida Ativa da União por inadimplência. O que os ministros do Supremo e os técnicos do Ministério da Fazenda não perceberam é que estes produtores terão problemas para acessar novo crédito, provocando diminuição na produção e reduzindo diretamente o PIB Agropecuário. Ou seja, a cobrança do Funrural afetará as contas do país, que dependem de supersafras como a que teremos este ano, que deve superar 111 milhões de toneladas de grãos. 

Ao contrário do que parece, a expectativa de uma supersafra, na prática, não se reflete em ganhos reais ao produtor. Quem todos os anos assume o risco de produzir alimentos para o mundo, amarga prejuízos decorrentes de um cenário macroeconômico bastante desfavorável.

Os produtores contrataram a safra atual com dólar custando R$ 3,50 e estão vendendo a R$ 3,20, ao passo que a cotação da soja em Chicago caiu de US$ 10,5/bushel no ano anterior para US$ 9/bushel. Estes dois fatores, que reduziram ainda mais nossa competitividade, somados à logística precária, burocracia e elevados custos de produção, tornam a atividade agrícola uma eterna epopeia. Nesta safra, os problemas crônicos só não foram agravados devido às excepcionais condições de luminosidade, água e calor que garantiram um aumento da produtividade e ajudaram a recuperar as perdas ocorridas na safra passada por causa da estiagem.

O episódio do Funrural, aliado à fadada espetacularização da operação Carne Fraca, que atingiu de forma irresponsável o setor de carnes, tornam estes desafios ainda mais difíceis de serem superados. A mudança de entendimento do STF causa uma insegurança jurídica em todo o setor tendo em vista que alguns ministros mudaram seu entendimento sobre a matéria em relação ao julgamento anterior. O governo precisa repensar sua estratégia de tirar as contas do país do vermelho às custas do setor que tem dado os melhores resultados, gerado empregos e contribuído com o superávit da balança comercial. Estão matando as galinhas dos ovos de ouro.



Marcos da Rosa

Presidente da Aprosoja Brasil e 2º vice-presidente da Famato


 leia também

Benedito Figueiredo Junior
Domingo, 14 de maio de 2017
Cirurgia plástica pós-gravidez
A Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica aconselha de 6 meses a um ano para se pensar em realizá-las
Juacy da Silva
Terça, 09 de maio de 2017
Agricultura urbana e periurbana
O mundo e os países, em graus variados, enfrentam diversos desafios que devem ser encarados e equacionados para que a população possa desfrutar de padrões e qualidade de vida mais dignos.
Eluise Dorileo
Terça, 09 de maio de 2017
Bom relacionamento com a mãe é certeza de sucesso na vida
O sucesso tem o rosto da mãe, assim é a definição da importância da conexão com a mãe em nossa vida, segundo o alemão teólogo...

+ ver todas os artigos
Eparre

 Temer e os Irmãos Batista


A relação do presidente Michel Temer com os Batista, segundo dados de uma investigação determinada pelo ministro Edson Fachin do STF, foi bastante próxima a ponto de Joesley, suspeito, junto com o irmão, nas operações Sepsis, Cui Bono e Greenfield (fora outras duas instauradas), ser recebido sem quaisquer incômodos pela segurança da presidência, ingressando no porão do Palácio Jaburu onde, clandestinamente, conduziu uma conversação capaz de comprometer seu interlocutor.

 Ação controlada


A Procuradoria Geral da República, através de uma "ação controlada", obteve provas de pagamento de propinas ao peemedebista, deputado Rodrigo Rocha Loures, da mais absoluta confiança do presidente, incumbido de resolver problemas no fornecimento de gás que lhe garantiam e, suspeita-se, a Michel Temer, a "módica" quantia de R$ 500.000,00 por semana durante 20 anos, num total de R$ 486 milhões de reais. A entrega da primeira parcela foi integralmente filmada e acompanhada por agentes da Polícia Federal.

 Mala desaparecida


As notas, sequenciadas e marcadas, foram entregues ao deputado que viajou, pouco depois, para Nova Iorque, retornando ao Brasil onde o seu afastamento das funções parlamentares já foi decidido pelo STF. A mala está desaparecida. Não se teve, ainda, notícias do dinheiro circulando pelo mercado financeiro.

 Golpe não se sustenta


Tudo leva a crer que o golpe que apeou a ex-presidente Dilma Roussef do poder entra em convulsão. A parada nas Casas Legislativas é um péssimo sintoma, por mais que Eunício Oliveira (PMDB) e Rodrigo Maia (DEM(, respectivamente presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados demonstrem alguma iniciativa para fazer as reformas propostas caminharem. Esse estado de "suspense" é indicativo de que os deputados e senadores, em visita as respectivas bases, estão avaliando a situação para verificar, afinal, para onde navega o Titanic para ver se há tempo de desviá-lo do iceberg. Falta apenas quem toque o violino para aliviar as angústias do naufrágio.

Eparre

Segunda, 22 de maio de 2017
K.W
Tenho me divertido mais com as caricaturas da internet. Isso me parece uma grande futrica. Nada mais. E se me escutaram devem é ter achado graça de tanta bobagem que falo. Também coisas sérias. Mas acho bom ver pq não é esse o caminho certo.

Quinta, 18 de maio de 2017
Lourival Ferreira
Acho bom que as instituições se movimentem para apurar mas isto é praxe na rotina de correição do TJ.

Sábado, 13 de maio de 2017
Celio
O TCE tem culpa no cartório. Pra que tantos auditores e a nata do serviço público não consegue enxergar nada de errado quando todos falam que tem.

Sábado, 13 de maio de 2017
Odacil Ferreira
Sempre achei esse site muito simpático ao Riva pai e agora aos Riva filhos. A Janaína "não sabia de nada" o irmão "não sabia de nada" e o capataz "não sabia de nada". A moda pegou.

DEIXE SUA OPINIÃO OU COMENTÁRIO
Nome:
Texto:
Email:
Coluna:
Vídeos
 HUMOR
Melhor truque com cartas de todos os tempos
HOME  |   TURMA DO EPA  |   PANORAMA  |   VÍDEOS  |   LEITURA  |   EPARRÊ  |   EPA DOS LEITORES
BROADCAST  |   QUEM SOMOS  |   DIREITO DE RESPOSTA  |   ANÚNCIOS  |   CANAL RSS  |   CONTATO
Copyright © 2011 - Turma do Epa. Todos os direitos reservados